CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Relembre cinemas de rua antigos de Curitiba

Cinelândia, Mignon, Bristol e São Cristóvão são alguns dos nomes. Quais outros você lembra?

Por: Redação

Parece que cada vez mais o atrativo das salas de cinema é a tecnologia: poltronas confortáveis, telas enormes, filmes em três ou mais dimensões, entre outros, acabam roubando – ou dividindo – a cena do filme. A infraestrutura que nos desculpe, mas quem não tem saudade de um belo cinema de rua?

No tempo do guaraná de rolha, que Curitiba ainda se escrevia com Y, a cidade era cheia destes estabelecimentos. Sendo assim, o Catraca Livre selecionou alguns dos cinemas antigos de rua da cidade para refrescar a memória de todos.

Confira:

 

Cine Bristol

O estabelecimento, que ficava na Rua Mateus Leme, já foi o Theatro Hauer e depois o Cine Marabá, em 1947, para só então se tornar o Cine Bristol, em 1976. Quando este foi inaugurado, estreou com “A Volta da Pantera Cor-de-Rosa”, estrelado pelo comediante Peter Sellers, que havia sido lançado no ano anterior. Funcionou até 1995, quando foi transformado para receber o Bristol Golden Bingo, que fechou e virou uma igreja evangélica.

 

Cine São Cristóvão

O cinema foi construído pela necessidade de cultura e lazer no bairro do Guaíra. Em 1962, funcionava em um barracão; no ano seguinte, passou a funcionar na Rua Santa Catarina. A sala sempre realizava sessões gratuitas em datas comemorativas e era emprestada às escolas para apresentações teatrais, formaturas e outros eventos. O local encerrou suas atividades em 1985.

 

Cine Luz

O Cine Luz, inaugurado em 16 de dezembro de 1939, foi o segundo cinema de Curitiba instalado em um prédio especialmente construído para funcionar como sala de projeção. Sua abertura foi marcada pelo filme “Meia-noite”, de 1939, com Don Ameche e Claudette Colbert. Localizado na Praça Zacarias, o Cine Luz era sempre inundado quando chovia e acabou destruído, em violento incêndio, na tarde de 26 de abril de 1961, quando exibia “O Homem do Sputnik” (1960), de Carlos Manga, com Oscarito, Grande Otelo e Norma Benguell. Em 1985, foi inaugurado o segundo Cine Luz, pertencente à Fundação Cultural de Curitiba e situado na Rua XV de Novembro, Praça Santos Andrade. 24 anos depois, em 2009, foi exibida a última sessão.

 

Cine Morgenau

A antiga Sociedade Morgenau, que realizava bailes para a comunidade, também realizava sessões de cinema quando não havia festa. Assim nasceu um dos primeiros cinemas de Curitiba. Ficava na região do Cristo Rei; posteriormente foi vendido e construído na Rua Schiller, no Capanema. Em 1983, o Cine Morgenau mudou-se para o Centro Comercial Rui Barbosa e, nessa época, exibiu o filme “Garganta Profunda”, que teve 12 semanas de sessões superlotadas. A partir de então, passou a investir apenas em filmes pornô.

 

Cine Mignon

Criado na década de 1910, o espaço ficava na Rua XV de Novembro e é lembrado como o cinema de rua mais importante da cidade. Apesar de, na época, já existirem outras salas de projeção de filmes, o Mignon estava à frente por possuir sala de espera, botequim e café.

Cinelândia Curitibana
A partir dos anos 20, foram construídos diversos cinemas de rua na Rua XV de Novembro e Avenida Luiz Xavier, atualmente conhecida como Rua das Flores, entre o Palácio Avenida e o Edifício Garcez, perto da Praça General Osório. Alguns dos estabelecimentos eram:

 

Cine Ópera

Ficava no Edifício Eloísa, de 6 andares, na Avenida Luiz Xavier. Inicialmente foi projetado para ser apenas residencial, mas o térreo foi dividido para a entrada do Cine Ópera e também para a confeitaria da Sra. Elsa, famosa por seus doces. Foi inaugurado em julho de 1941, com “All This And Heaven Too” (Tudo Isso e o Céu também) e durante quase 30 anos foi a sala mais movimentada da cidade, sediando concertos, recitais e eventos como o I Festival do Cinema de Curitiba. O Cine Ópera foi fechado em 9 de janeiro de 1979, com a reprise de “Dio, come ti amo!”.

 

Cine Palácio

O Cine Palácio funcionava no Edifício Moreira Garcez. O Cine Astor ocupou, nos anos 70, o seu lugar, mas ao contrário do Cine Palácio, tinha a entrada voltada para a Rua Voluntários da Pátria. Construído a partir de 1926, o prédio foi o primeiro arranha-céu de Curitiba, com oito andares sobre o térreo, considerado gigantesco para a época.

 

Cine Odeon

Ficava em frente ao Cine Avenida e ao lado do Cine Ópera, completando os cinemas da Cinelândia Curitibana. Inicialmente chamado de Cine Glória, foi construído por Vespasiano Carneiro de Mello (1865-1962) e funcionou até o início dos anos 50.

 
Cine Avenida

Foi criado em 1929, onde atualmente é a sede do banco HSBC. Foi o primeiro prédio de Curitiba construído especialmente para a projeção de filmes e era especializado em Westerns.

1
Morre Gilberto Dimenstein, jornalista e fundador da Catraca Livre
É com profunda tristeza que a Catraca Livre anuncia o falecimento de seu fundador, Gilberto Dimenstein, aos 63 anos de …
2
Entenda a operação da Polícia Federal de combate às fake news
O combate às fake news ganhou um novo e importante capítulo nesta semana com a Polícia Federal realizando uma série …
3
Witzel é alvo da PF; Zambelli antecipa operação em entrevista
A Polícia Federal iniciou nesta terça-feira, 26, a Operação Placebo, que apura desvios na Saúde do Rio de Janeiro nas …
4
‘Na Fila do SUS’ retrata o sucateamento da saúde pública em plena pandemia
 'Na Fila do SUS' é uma websérie em formato original com seis episódios que estreia disponível exclusivamente, na plataforma online …
5
Governo libera uso da cloroquina para pacientes em estado leve da covid-19; classe médica discorda
Após pressão do presidente Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde cedeu e ampliou o  protocolo para uso da cloroquina e …
6
Felipe Neto no Roda Vida: confira os principais momentos do programa
Convidado do Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira, 18, o youtuber Felipe Neto afirmou que faz um …
7
Flávio Bolsonaro rebate acusação feita por Paulo Marinho sobre o caso Queiroz
O senador Flávio Bolsonaro rebateu a acusação feita pelo empresário Paulo Marinho em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo …
8
Entenda os motivos do pedido de demissão do ministro da Saúde, Nelson Teich
Antes mesmo de completar um mês à frente do Ministério da Saúde, o ministro Nelson Teich pediu demissão do cargo …