Tecnologia conectará vítimas de violência a psicólogas e advogadas

O projeto Mapa do Acolhimento lançou financiamento coletivo para viabilizar a tecnologia

Por: Redação
Mapa do Acolhimento
Crédito: Reprodução / Mapa do AcolhimentoO projeto acolhe mulheres que sofreram violência doméstica

A cada 2 minutos, um caso de violência doméstica é registrado no Brasil, segundo dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019. Em 2018, foram registrados 66.041 casos: 4,1% maior do que os anos anteriores. A maioria dessas mulheres permanece sem qualquer apoio ou justiça.

Movidas por esta causa, um grupo de mulheres ativistas se mobilizou para criar, no final de 2016, o Mapa do Acolhimento: uma plataforma que conecta mulheres que sofrem ou sofreram violência baseada em gênero a psicólogas e advogadas voluntárias. Já foram encaminhados 4.800 pedidos de ajuda para 2.500 voluntárias. O projeto abrange mais de 900 cidades em todos os 27 estados do país.

“A violência contra as mulheres é um problema estrutural do nosso país. O Estado não tem conseguido dar conta da urgência e demanda provenientes desse tipo de violência. Diante disso, o Mapa surge como uma rede de solidariedade com o objetivo de não deixar que nenhuma mulher fique desamparada. Ao longo dos anos, o projeto se tornou uma referência para muitas mulheres. Somente em 2019, recebemos quase 3 mil pedidos de ajuda na plataforma”, explica Larissa Schmillevitch, coordenadora do Mapa do Acolhimento.

Para dar conta da demanda crescente, o projeto lança um financiamento coletivo para arrecadar recursos para desenvolver uma tecnologia que irá possibilitar automatizar a conexão entre quem pede ajuda e quem está disposta a ajudar. Hoje, o processo de match é feito de forma manual. Com os matchs automatizados, a equipe se dedicará ao cadastro e capacitação de voluntárias para expandir ainda mais a rede e aumentar o número de mulheres acolhidas.

A campanha foi lançada no dia 1 de novembro com o desafio de, em pouco mais de 30 dias, arrecadar R$ 90 mil. As doações podem ser feitas por pessoas físicas e jurídicas de todo o Brasil, pelo link, até dia 29 de novembro.

Assista ao vídeo da campanha:


Campanha #ElaNãoPediu

Nenhuma mulher “pede” para apanhar. A culpa nunca é da vítima. A campanha #ElaNãoPediu, da Catraca Livre, tem como objetivo fortalecer o enfrentamento da violência doméstica no Brasil, por meio de conteúdos e também ao facilitar o acesso à rede de apoio existente, potencializando iniciativas reconhecidas.

1
Governo Bolsonaro libera pesca em áreas de conservação ambiental
Uma portaria do Instituto Chico Mendes (ICMBio), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, autorizou a pesca esportiva e amadora …
2
Chuva forte deixa São Paulo debaixo d’água
A chuva que começou ontem não deu sinal de trégua e fez São Paulo amanhecer debaixo d’água nesta segunda-feira, 10. …
3
Coronavírus: aviões da FAB vão retirar brasileiros de Wuhan, na China
Dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) decolaram nesta quarta-feira, 5, em direção a Wuhan, na China, para retirar os …
4
BBB20: Mulheres decidem o destino de Pétrix Barbosa
A união das mulheres  decidiu o destino de Pétrix não apenas no Big Brother Brasil 20, mas também fora da …
5
Damares Alves: abstinência sexual, protesto e contradição?
Por que este grupo de mulheres deu as costas para a ministra Damares Alves enquanto ela defendia sua política de …
6
Bolsonaro e a demissão do secretário que viajou com jato da FAB
O presidente Jair Bolsonaro anunciou em sua conta no Twitter que vai tornar sem efeito a nomeação de José Vicente …
7
Visibilidade trans: a história de Thais de Azevedo
O que é violência para você? Para Thais de Azevedo essa pergunta resume uma trajetória de vida. Como mulher trans, …
8
Qual o impacto do feminismo na periferia ? Luana Hansen dá a letra
Dj, MC e produtora musical, Luana Hansen fez e faz história no movimento hip hop há, pelo menos, duas décadas. …