Tecnologia conectará vítimas de violência a psicólogas e advogadas

O projeto Mapa do Acolhimento lançou financiamento coletivo para viabilizar a tecnologia

Por: Redação
Mapa do Acolhimento
Crédito: Reprodução / Mapa do AcolhimentoO projeto acolhe mulheres que sofreram violência doméstica

A cada 2 minutos, um caso de violência doméstica é registrado no Brasil, segundo dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019. Em 2018, foram registrados 66.041 casos: 4,1% maior do que os anos anteriores. A maioria dessas mulheres permanece sem qualquer apoio ou justiça.

Movidas por esta causa, um grupo de mulheres ativistas se mobilizou para criar, no final de 2016, o Mapa do Acolhimento: uma plataforma que conecta mulheres que sofrem ou sofreram violência baseada em gênero a psicólogas e advogadas voluntárias. Já foram encaminhados 4.800 pedidos de ajuda para 2.500 voluntárias. O projeto abrange mais de 900 cidades em todos os 27 estados do país.

“A violência contra as mulheres é um problema estrutural do nosso país. O Estado não tem conseguido dar conta da urgência e demanda provenientes desse tipo de violência. Diante disso, o Mapa surge como uma rede de solidariedade com o objetivo de não deixar que nenhuma mulher fique desamparada. Ao longo dos anos, o projeto se tornou uma referência para muitas mulheres. Somente em 2019, recebemos quase 3 mil pedidos de ajuda na plataforma”, explica Larissa Schmillevitch, coordenadora do Mapa do Acolhimento.

Para dar conta da demanda crescente, o projeto lança um financiamento coletivo para arrecadar recursos para desenvolver uma tecnologia que irá possibilitar automatizar a conexão entre quem pede ajuda e quem está disposta a ajudar. Hoje, o processo de match é feito de forma manual. Com os matchs automatizados, a equipe se dedicará ao cadastro e capacitação de voluntárias para expandir ainda mais a rede e aumentar o número de mulheres acolhidas.

A campanha foi lançada no dia 1 de novembro com o desafio de, em pouco mais de 30 dias, arrecadar R$ 90 mil. As doações podem ser feitas por pessoas físicas e jurídicas de todo o Brasil, pelo link, até dia 29 de novembro.

Assista ao vídeo da campanha:

Doe agora para o Mapa do Acolhimento!

O Mapa do Acolhimento conecta mulheres em situação de risco a psicólogas e advogadas voluntárias. Já encaminhamos 4.800 pedidos de ajuda, mas no país onde a cada 2 minutos um caso de violência doméstica é registrado, precisamos de mais. Doe agora para que mais nenhuma mulher fique desamparada: www.apoie.mapadoacolhimento.org

Posted by Mapa do Acolhimento on Monday, November 4, 2019


Campanha #ElaNãoPediu

Nenhuma mulher “pede” para apanhar. A culpa nunca é da vítima. A campanha #ElaNãoPediu, da Catraca Livre, tem como objetivo fortalecer o enfrentamento da violência doméstica no Brasil, por meio de conteúdos e também ao facilitar o acesso à rede de apoio existente, potencializando iniciativas reconhecidas.

1
Bolsonaro deixa o PSL para fundar um novo partido político
O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta terça-feira, 12, que vai deixar o Partido Social Liberal (PSL) após quase dois anos …
2
Entenda a crise política na Bolívia em 8 minutos
Após 13 anos no poder, o presidente boliviano Evo Morales renunciou ao cargo no último domingo, 10, em meio a …
3
DPVAT e INSS: os impactos das medidas de Bolsonaro para a população
O presidente Jair Bolsonaro assinou duas medidas provisórias (MPs) que prometem mudar a vida dos brasileiros. O anúncio foi feito …
4
O retrato da violência doméstica no Brasil
Cerca de 13 mulheres são assassinadas todos os dias no Brasil.  Em uma conta rápida, isso significa 4.750 mortes por …
5
O ambicioso plano de Paulo Guedes para a economia do Brasil
“Transformar o Estado Brasileiro” é o que pretende o ministro da Economia, Paulo Guedes, com o pacote de ações que …
6
O que acontecerá com Lula e outros presos após a decisão do STF?
Por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu mudar o entendimento sobre a prisão de condenados em …
7
03:52
No Brasil, 13,5 milhões de pessoas vivem na pobreza extrema
Dados da última edição da Síntese de Indicadores Sociais do IBGE, que analisa a qualidade de vida da população, mostra …
8
03:58
Por que o câncer do prefeito de SP está cada vez mais comum ?
Diagnosticado com um tumor no sistema digestivo, aos 39 anos, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), apresenta um …