CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Verão em Realengo: quando as periferias do Rio são esquecidas

O Parque de Realengo consta no Plano Estratégico 2017-2020 da cidade do Rio, mas promessas não estão se sustentando, nem se desenvolvendo

Por: Instituto Clima e Sociedade

Imagine: um parque verde no meio do subúrbio, no verdadeiro e geográfico “centro da cidade”. Numa zona conhecida pelas maiores temperaturas do Rio de Janeiro e pelas maiores distâncias físicas para boas opções de lazer e de trabalho. Não à toa, o lugar ganhou fama e nome em função dos transportes. A abreviação do letreiro do bonde com destino ao “Real Engenho” passou a ser escrita também em letras de música e hoje, alguns se transportam pra cá pelos trilhos dos trens, outros só pelas trilhas sonoras que atravessam o bairro.

Em “Engenho de Dentro, quem não saltar agora só em Realengo”, de Jorge Ben, as duas estações citadas mostram um recorte que se tornou icônico na cidade: uma é olímpica, a outra não. Seria literalmente uma bad trip se não fossem os Espaços Culturais do Viaduto e do Arlindo Cruz, para nos salvar das sombras da estação e nos lembrar que, assim como Madureira, Realengo é o “meu lugar” para muita gente. E assim, o recado irônico de “Aquele abraço”, do ministro Gil, volta como símbolo da segregação e repressão nestas terras realengas, da realeza e da lonjura. Antes visitadas pelos monarcas, ontem pelos coronéis e hoje pelos pastores, vemos um terreno vasto para retrocessos.

De janeiro a janeiro, as periferias do Rio são esquecidas pelas políticas públicas estruturantes

Ali, no calor da emoção, o atual prefeito nos prometeu um bosque urbano, tal como o imperial Parque municipal da Quinta da Boa Vista, no 4º bairro mais populoso do Rio, onde moram quase 200 mil pessoas. O Parque de Realengo consta no Plano Estratégico 2017-2020 da cidade do Rio de Janeiro, documento em que a prefeitura se compromete com metas e objetivos para um desenvolvimento sustentável, como proposto pela ONU na Agenda 2030. Mas as promessas não estão se sustentando, nem se desenvolvendo.

A união e o município cederam à especulação militar-imobiliária que hoje está ofertando apartamentos “na planta” do Parque Verde. Derruba-se a floresta para promover o aquecimento local através de blocos de cimento em forma de condomínio para servir à Fundação Habitacional do Exército, privada, e sua ‘associação de poupança e empréstimo’, a POUPEX. Trata-se de uma transação ilegal, assim como o desmatamento da área, que já pode ser detectado a olhos nus, pelos drones e pelo satélite do Google. A “terraplanagem”, neste caso, é real, tá tendo. Juntamente com uma frota potencial de mais 2.000 carros dos novos condôminos, a destruição e a poluição, certamente, virão e farão muito mal.

Movimentos têm feito um convite para que a sociedade civil participe das decisões

Vocês verão que não se trata de ilusão, porque na realidade de Realengo, não precisamos de mais moradia e sim de mais verde, mais lazer, mais cultura, mais instituições de ensino e de mais emprego, conforme também nos foi prometido, na primeira linha do “bendito” Plano de Metas. Este planejamento até agora não foi revisado, divulgado ou monitorado pela prefeitura, apenas deixado de lado, assim como nós.

De janeiro a janeiro, as periferias do Rio são esquecidas pelas políticas públicas estruturantes, mas religiosamente lembradas pelas migalhas e pelos “cala-bocas”. Até chegar o próximo outubro, quando uma chuva de promessas cai novamente sobre este território já sem árvores e sem esperanças. E no calor da eleição, o risco é maior: quando o povo tem de ir às urnas, o bairro fica ainda mais cheio porque os currais e os domicílios eleitorais ainda residem nele e aí, o estrago vem tão grande quanto das águas de março que fecham o verão e fazem muitas famílias perderem tudo.

Para nos livrarmos desse mal, além de rezarmos, poderíamos imaginar nossa atualmente desafinada democracia como uma orquestra que ainda nos rege o ano inteiro, a qual possui diversos instrumentos possíveis de alterar a melodia do dia a dia. Os maestros e maestras precisam vir de várias partes da metrópole para afinarmos, com diversidade, os diferentes ruídos com os quais nos deparamos no cotidiano.

O pedido dos moradores de Realengo é pelo “retorno” das atividades culturais e ecológicas

Nosso repertório deve ir além das melancolias, além das críticas, sem depressão, em direção à construção de propostas em cenários de transformação. Precisamos ser capazes de pedir a música, protagonizar a mudança, compor planos, partituras. Produzir sons e soluções para melhorar a qualidade de vida do público, de forma coletiva.

Nesses sentidos, o Movimento Parque de Realengo 100% Verde (MPRV), o Meu Rio, o Lata Doida, o Sarau do Calango, a Charanga Talismã, o Espaço Cultural Viaduto de Realengo, a Casa Fluminense e uma rede de parceiras têm feito um convite para que a sociedade civil dê um novo tom à política, para que façamos ressoar a participação popular nas decisões.

Essa panela de pressão da sociedade civil, as ocupações, do entorno do Parque de Realengo, da Câmara de Vereadores, da Assembleia Legislativa e do Congresso Nacional com a nossa petição, são formas de chamar atenção (assine aqui!). Até na ONU já fomos, porque a audiência global é necessária para um desafio nesse país gigante, que se vê diante do desmatamento cada vez mais alarmante. Seja na Floresta do Camboatá ou da Amazônia, é literalmente “de matar” o abandono do recurso mais natural e a privatização de toda e qualquer relação social, econômica e ambiental.

Das nossas esperanças para este novo ano, desejamos não receber mais nenhuma bomba em nenhum campo, pela nossa saúde, preventiva, até porque o Albert Schweitzer, hospital estadual do nosso bairro, também está em estado crítico. Desejamos que a decisão do CONSEMAC, Conselho de Meio Ambiente, dos poucos que não foram extintos, seja respeitada. Ela aprova o projeto, 100% verde. Sendo assim, nosso pedido é que ganhemos o Parque. Não porque nos comportamos durante o ano, mas porque precisamos mesmo. Vai ficar mais quente do que nunca, vocês verão.

Esse clamor é uma palhinha, para dizer que o pedido dos moradores de Realengo, que em outros tempos assistiam ao Tim Maia na Praça do Canhão, nada mais é que o “retorno” das atividades culturais e ecológicas. Canjas de mais preservação, mais apoio, mais fomento e mais equipamentos, como a lona cultural e as históricas salas de cinema do bairro (hoje igrejas fundamentalistas), serão realmente salvadoras. Contudo, nossa necessidade é de políticas públicas estruturais, estruturantes. O Colégio Pedro II, ali ao lado do futuro Parque, é fruto da ação de moradoras e moradores atentos e fortes, que sonharam e realizaram, deixando um legado real, para as próximas gerações.

Nesse longo caminho, todas as demandas estão sintonizadas com o permanente uso público dos espaços seja para estudo, lazer e para geração de renda, entre outros desejos que façam reduzir a necessidade de longos deslocamentos para acessar esses e quaisquer outros serviços. Reduzir essas desigualdades, aumentando as oportunidades para os moradores, vizinhos e vizinhas é o clamor que ecoa não só na Zona Oeste e na Zona Norte, como na Baixada, em São Gonçalo e em outras periferias e regiões metropolitanas do país. Em grupo, seguiremos tocando em frente.

Saiba mais e compartilhe.

Por Vitor Mihessen, cria de Realengo, cavaquinista, economista e coordenador na Casa Fluminense

Por: Instituto Clima e Sociedade

O Instituto Clima e Sociedade (iCS) é uma organização filantrópica que promove prosperidade, justiça e desenvolvimento de baixo carbono no Brasil. Funcionamos como uma ponte entre financiadores internacionais e nacionais e parceiros locais. Assim, somos parte de uma ampla rede de organizações filantrópicas dedicadas à construção de soluções para a crise climática.O iCS traça planos de ação frente aos problemas climáticos a partir de uma lente social. Por isso, prioriza medidas que, além de reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE), também gerem melhorias na qualidade de vida para a sociedade, em especial para os mais vulneráveis.A atividade principal do Instituto é dar doações para fomentar projetos e organizações que visem:• CONSTRUIR evidências que qualifiquem o debate e apoiem a tomada de decisão• PROMOVER advocacy, campanhas e comunicação• CRIAR espaços de interação entre diversos atores e setores• INCENTIVAR o intercâmbio de conhecimento e experiência entre o Brasil e o mundoAlém disso, também nos dedicamos ao engajamento da sociedade com o tema de mudanças climáticas, implementação de projetos próprios e capacitação institucional de organizações da sociedade civil.​

Termos da rede:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário iCS da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

1
Morre Gilberto Dimenstein, jornalista e fundador da Catraca Livre
É com profunda tristeza que a Catraca Livre anuncia o falecimento de seu fundador, Gilberto Dimenstein, aos 63 anos de …
2
Entenda a operação da Polícia Federal de combate às fake news
O combate às fake news ganhou um novo e importante capítulo nesta semana com a Polícia Federal realizando uma série …
3
Witzel é alvo da PF; Zambelli antecipa operação em entrevista
A Polícia Federal iniciou nesta terça-feira, 26, a Operação Placebo, que apura desvios na Saúde do Rio de Janeiro nas …
4
‘Na Fila do SUS’ retrata o sucateamento da saúde pública em plena pandemia
 'Na Fila do SUS' é uma websérie em formato original com seis episódios que estreia disponível exclusivamente, na plataforma online …
5
Governo libera uso da cloroquina para pacientes em estado leve da covid-19; classe médica discorda
Após pressão do presidente Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde cedeu e ampliou o  protocolo para uso da cloroquina e …
6
Felipe Neto no Roda Vida: confira os principais momentos do programa
Convidado do Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira, 18, o youtuber Felipe Neto afirmou que faz um …
7
Flávio Bolsonaro rebate acusação feita por Paulo Marinho sobre o caso Queiroz
O senador Flávio Bolsonaro rebateu a acusação feita pelo empresário Paulo Marinho em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo …
8
Entenda os motivos do pedido de demissão do ministro da Saúde, Nelson Teich
Antes mesmo de completar um mês à frente do Ministério da Saúde, o ministro Nelson Teich pediu demissão do cargo …