Via Varejo vai pagar R$ 4,5 milhões em indenização por assédio

Funcionários que não atingiam metas, tinham que imitar um animal nas reuniões, dançar “na boca da garrafa”, dentro outros atos humilhantes

Por: Redação | Comunicar erro

A Via Varejo (VVAR3), dona da Casas Bahia e PontoFrio, vai pagar indenização de R$ 4,5 milhões por dano moral coletivo em práticas de assédio moral a funcionários. O valor da indenização foi firmado em um acordo de conciliação com Ministério Público do Trabalho (MPT), em Campinas (SP).

Crédito: DivulgaçãoVia Varejo vai pagar R$ 4,5 milhões em indenização por assédio

Por um dos processos, ficou comprovado que os funcionários da rede eram submetidos ao cumprimento de metas muitas vezes inatingíveis, sofrendo punições, humilhações e ameaças de demissão, em vários estabelecimentos espalhados pelo Estado de São Paulo.

Em Presidente Prudente, por exemplo, os funcionários que deixassem de observar alguma regra imposta pela empresa eram colocados no chamado “paredão”. Quando não conseguiam o atingimento das metas, tinham que imitar um animal nas reuniões, dançar “na boca da garrafa”, ”sentar um no colo do outro para estourar bexigas”, dentre outros atos humilhantes.

SOFREU ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO? CARTILHA ENSINA COMO AGIR

Regras

Além da indenização trabalhista, o acordo prevê uma série de obrigações a serem cumpridas pela empresa.

Entre elas, comprometer-se a não praticar quaisquer atos que se adequem à definições de assédio moral (ou seja, qualquer conduta abusiva externada por comportamentos, palavras, atos, gestos ou escritos que possam gerar qualquer tipo de dano ao outro) e assegurar aos empregados um meio ambiente de trabalho digno e respeitoso, fazendo cessar qualquer tipo de ato discriminatório.

Caso descumpra as obrigações, a Via Varejo pagará multa de R$ 50 mil por cláusula, limitando-se ao teto anual de R$ 1,2 milhão.

O pagamento da indenização por danos morais coletivos será feito em 12 parcelas, cada ação representando o valor de R$ 2,250 milhões (R$ 4,5 milhões no total), com destinação para projetos de finalidade social ou a entidades privadas sem fins lucrativos ou a órgãos públicos que atuam na proteção do trabalho, conforme indicação do MPT.

Haverá aplicação de multa de 50% sobre a parcela que não for paga, sem prejuízo da incidência de correção monetária aplicada pela Justiça do Trabalho.

1 / 8
1
06:25
VazaJato: Moro chama integrantes do MBL de tontos e depois se desculpa
Em áudio publicado pelo perfil do Movimento Brasil Livre no Instagram o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, …
2
02:42
STF adia julgamento que pode tirar Lula da cadeia
O Supremo Tribunal Federal (STF) resolveu adiar o julgamento do pedido de liberdade do ex-presidente Lula, que estava previsto para …
3
02:20
Novas regras para o uso de patinetes elétricas em SP
A prefeitura de São Paulo definiu novas regras para o uso de patinetes elétricas compartilhadas na cidade. Entre as  determinações …
4
08:30
Intercept: os principais pontos do depoimento de Moro no Senado
O ministro da Justiça, Sergio Moro, prestou esclarecimentos em audiência na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça do Senado) sobre …
5
04:04
E se Carlos Bolsonaro fosse gay?
O ex-deputado Jean Wyllys fez uma série de posts em sua rede social apontando que Carlos Bolsonaro, o filho 02 …
6
03:02
Empresas usaram disparos no WhatsApp durante eleição de Bolsonaro
Uma reportagem publicada pela Folha de S. Paulo mostra que empresas brasileiras contrataram uma agência de marketing na Espanha para …
7
01:49
Senado diz não e derruba o decreto de armas de Bolsonaro
O Senado votou na terça-feira, 18, o parecer que pede pela suspensão dos decretos que flexibilizam o porte e a …
8
03:54
Bancada do PSL passa vergonha ao convocar e desconvocar Glen Greenwald
O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) apresentou na quarta-feira, dia 12, um requerimento na Comissão de Segurança Pública da Câmara …