CORONAVÍRUS
Loading...
Últimas notícias e tudo que você precisa saberAtualizando informações
Infectados-
Mortes-
Recuperados-

Vídeo mostra policial agredindo mulher grávida de 5 meses em SP

No vídeo é possível ver que mulher grávida está deitada no chão gritando, o policial a imobiliza com o joelho pressionando sua barriga

Por: Redação

Um vídeo que circula nas redes sociais, nesta terça-feira, 4, mostra um policial militar agredindo uma mulher grávida de cinco meses. O caso aconteceu em São José do Rio Preto, interior de São Paulo. A Polícia Militar (PM) afastou os envolvidos para investigação da conduta, mas episódio foi registrado em boletim de ocorrência como “desacato e desobediência” da mulher.

policial mulher grávida
Crédito: Reprodução/InstagramVídeo mostra policial agredindo mulher grávida de 5 meses em SP

No vídeo é possível ver que mulher grávida está deitada no chão gritando, o policial a imobiliza com o joelho pressionando sua barriga. A vítima pede para que o agente do estado pare, que a solte, revela que está grávida e afirma que não vai fugir. A resposta do PM aos apelos da mulher foi agredi-la no rosto.

Ainda é possível ver que moradores que presenciam a agressão pedem para o policial parar, dizendo que a mulher está grávida. Em seguida, ele diz que ela está presa e as testemunhas voltam a pedir para ele parar de pisar na barriga dela.

Segundo o boletim de ocorrência, registrado pelos PMs, a mulher de 23 anos foi rendida após intervir em uma abordagem que flagrou um adolescente com maconha. Após ser detida, ela foi levada para o hospital. Os dois policiais que estavam na ocorrência foram afastados das ruas para a investigação do caso, segundo a PM.

Importante ressaltar que o ato de filmar uma abordagem policial, contudo, não infringe nenhuma lei.

View this post on Instagram

POLICIAL AGRIDE MULHER GRÁVIDA EM SÃO PAULO | ele além de dar um tapa no rosto da mulher, ainda fica o tempo todo ajoelhado e forçando o joelho sobre a barriga dela. É inaceitável as atitudes deste CRIMINOSO. Que algo seja feito neste Brasil, ainda pacífico, diante da violência de estado contra todas e todos nós. Um país corrupto e covarde, onde a polícia se acha superior às pessoas a ponto de se sentir à vontade para espancar e matar. BASTA DESSA SITUAÇÃO, algo precisa ser feito de forma urgente. Não fiquem apenas assistindo. FILMEM é importante. E vamos protestar, pensar estratégias para sobreviver a isso. Desenvolver nossas ferramentas de segurança e denuncia internacional sobre o esculacho como política pública! BASTA DESSA MERDA!

A post shared by Raull Santiago (@raullsantiago) on

Seja por meio de órgãos públicos ou plataformas digitais, confira dicas sobre como denunciar violência policial:

Disque 100

Canal de comunicação que possibilita conhecer e avaliar a dimensão da violência contra os direitos humanos e o sistema de proteção, bem como orientar a elaboração de políticas públicas.

Ouvidoria de Polícia

Recebe denúncias contra policiais militares e civis que, eventualmente, tenham cometido atos arbitrários  ou ilegais; Faz a apuração das queixas. A denúncia pode ser feita anonimamente, por meio de carta e-mail ou telefone.

Em São Paulo, por exemplo, a denúncia pode ser feita até online. 

Corregedoria da Polícia Civil e da Polícia Militar

Criado para apurar desvio de conduta policial, órgão pode instaurar inquérito policial quando o crime é cometido por agentes de segurança  e, neste caso, encaminhado à justiça comum.

Ministério Publico – MP

Tem como função processar infratores e fiscalizar ações de órgãos públicos envolvidos em investigação criminal, como polícia e órgãos de perícia.

DefeZap

Desenvolvido em 2016 pelas organização Nossas, a plataforma tem como objetivo  dar visibilidade à questão da segurança pública e defesa dos direitos humanos.

A plataforma recebe denúncias de violência policial,  realiza apurações preliminares e encaminha casos aos órgãos competentes. Conheça a plataforma. 

Para mais informações, clique aqui.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.