CORONAVÍRUS
Loading...
Últimas notícias e tudo que você precisa saberAtualizando informações
Infectados-
Mortes-
Recuperados-

Violência contra a mulher: conheça os tipos e como denunciar

Texto escrito por Thaina Trindade e publicado no Superela

Por: Superela
Só no ano de 2015 já foram registrados mais de 32 mil casos de violência contra a mulher

Como se não bastasse um, existem diversos tipos de violência contra a mulher e hoje vamos falar sobre eles.

A redação do ENEM (Exame Nacional de Ensino Médio) de alguns anos atrás foi sobre a violência contra a mulher, um tema que causou uma enorme repercussão no país inteiro, um assunto que hoje ainda é considerado tabu, mas que deve ser discutido em escolas, em casa e em rodas de amigos, pois é a realidade de muitas mulheres em nosso país e no mundo.

A violência contra a mulher tem que ser levada a sério. Só no ano de 2015 já foram registrados mais de 32 mil casos e esse número é muito maior, pois ainda há muitas mulheres que sofrem agressão mas não têm coragem de pedir ajuda.

Crédito: Getty Images/iStockphotoA violência contra a mulher tem que ser levada a sério

Só para você ter ideia dos números absurdos:

Violência contra as mulheres no Brasile números

Quem acompanha a página e prestou enem certamente conseguiu ir bem na redação do ENEM ontem. Aproveitando que o tema foi violência contra a mulher, republicamos o vídeo que fizemos em conjunto com a página Mariasmarias para marcar o dia internacional de combate à violência contra as mulheres (25 de novembro).No Brasil, cada 12 segundos uma mulher é violentada, a cada 10 minutos uma mulher é estuprada e a cada 90 minutos uma mulher é assassinada.

Posted by Eu quero que desenhe on Monday, October 26, 2015

Muito se discute sobre a agressão física à mulher, que é um motivo de grande preocupação, mas há outros tipos de agressão que as mulheres sofrem diariamente e muitas vezes nem reconhecem tal atitude como agressão. Vamos falar um pouco sobre cada uma:

Tipos de violência contra a mulher:

1. Violência Física

Causa danos ao corpo da vítima, os danos podem ser causados através de socos, tapas, chutes, amarrações, etc. Em 2006 foi criada a Lei Maria da Penha que tem o propósito de diminuir a violência doméstica e familiar contra a mulher. São registradas mais de 50 ligações por dia, mas é de conhecimento que o número de casos de violência física contra a mulher é muito maior e que muitas acabam não denunciando seus agressores por medo e por vergonha.

2. Violência Psicológica

Continue lendo aqui: Violência contra a mulher: conheça os tipos e como denunciar


Campanha #ElaNãoPediu

Nenhuma mulher “pede” para apanhar. A culpa nunca é da vítima. A campanha #ElaNãoPediu, da Catraca Livre, tem como objetivo fortalecer o enfrentamento da violência doméstica no Brasil, por meio de conteúdos e também ao facilitar o acesso à rede de apoio existente, potencializando iniciativas reconhecidas.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Por: Superela

O Superela é uma plataforma comprometida em aumentar a autoestima das mulheres. Nós empoderamos elas através de conteúdo sobre amor, sexo, vida beleza e estilo, e uma comunidade de suporte emocional para elas, altamente engajada e do bem. <3

Termos da rede:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário Superela da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.