Acessório cria lindos jardins verticais

Entreter

Mais profunda documentação fotográfica do funk exibida em São Paulo

Por Victor Sousa

Reprodução
Crédito: © Vincent Rosenblatt / AgenciaFotografia de Vincent Rosenblatt é projetada em baile no Morro do São João, Rio de Janeiro

Batidas pesadas, sensualidade, dança e letras polêmicas. Ostentação e milhões de visualizações no Youtube. Um grito ritmado que surgiu nas favelas do Rio de Janeiro e atingiu as periferias de todo o país.

Amado ou odiado, o funk é uma fenômeno no Brasil. E foi um fotógrafo francês que retratou o movimento como ninguém havia feito antes na série fotográfica “Rio Baile Funk! Favela Rap (2005- 2014)”.

Vincent Rosenblatt, 41, vive no Brasil há 12 anos e e registrou mais de 400 bailes – 400 noites varadas em quase 100 localidades diferentes

(veja todas as fotos no seu site oficial).

Crédito: © Vincent Rosenblatt / Agencia
Crédito: © Vincent Rosenblatt / Agencia
Crédito: © Vincent Rosenblatt / Agencia
Crédito: © Vincent Rosenblatt / Agencia
Crédito: © Vincent Rosenblatt / Agencia
Crédito: © Vincent Rosenblatt / Agencia
Crédito: © Vincent Rosenblatt / Agencia

Seu trabalho é agora projetado em São Paulo no projeto de intervenção artística dos escombros do Hospital Umberto Primo.
Com o objetivo de dar vida aos pavilhões, corredores e jardins do antigo Hospital Umberto Primo, também conhecido como Hospital Matarazzo, tem início na terça, dia 9, a exposição “Made by… Feito por Brasileiros”. Com obras de 91 artistas plásticos, a mostra é a primeira fase do renascimento do espaço antes do início de sua renovação e transformação em novo espaço de turismo e cultura da cidade. A exposição pode ser visitada até 12 de outubro, de terça a domingo, das 9h às 17h. A entrada é totalmente Catraca Livre.

Reprodução
Crédito: © Vincent Rosenblatt / AgenciaFotos de Vincent Rosenblatt em revista italiana. Veja todas as fotos do ensaio aqui.

A redação do Catraca Livre conversou com Vincent sobre como surgiu o interesse pela cultura funk carioca, sua opinião sobre a pacificação das favelas e a questão da sensualidade em suas fotos.

Confira entrevista com o fotógrafo na editoria Urbanidade, do Catraca Livre

Compartilhe: