Últimas notícias:

Loading...

Como aprender francês on-line e tirar o certificado de fluência

Para quem pensa em estudar fora do Brasil, aprender o idioma abre portas em vários países

Por: Estudar Fora

A língua francesa é a 5ª mais falada do mundo e considerada uma língua universal, falada em diversos órgãos internacionais, como nas Nações Unidas e no Tribunal de Justiça Europeu. O idioma também é a segunda língua mais ensinada do mundo, depois do Inglês. Por esses fatores, aprender Francês pode abrir uma série de oportunidades em universidades e empresas internacionais.

França, Paris
Crédito: F11photo/iStockEiffel Tower at sunrise from Trocadero Fountains in Paris, France

O Francês é uma das 5 línguas latinas, junto ao nosso Português, o Espanhol, o Italiano e o Romeno. Para quem pensa em estudar fora do Brasil, aprender o idioma abre portas em vários países. Além disso, é o idioma oficial em 30 países. Além da França, é falado no Canadá, Bélgica, Suíça,  Mônaco e Luxemburgo.

Na África, devido aos séculos de colonização francesa no continente, é um idioma presente em diversos países: Benin, Burquina Fasso, Costa do Marfim, Guiné, Mali, Níger, Senegal, Togo,  Camarões, República Centro-Africana, República do Congo, Gabão, Guiné Equatorial, Chade, Djibuti, Comores e Madagascar.

“Há um clichê que o Francês é uma língua difícil, mas por ser uma língua latina próxima ao Português, acaba sendo fácil de aprender”, explica Suzana Tomei Toniato, Gerente Pedagógica da Aliança Francesa (AF). A instituição é a responsável por aplicar e realizar todos os testes de proficiência em Francês no Brasil.

Para quem está em dúvida se começa ou não a estudar o idioma, Suzana lembra que “tudo se aprende a qualquer idade, nós temos alunos até de 80 e poucos anos”.

Como funcionam os certificados de proficiência?

Existem 4 tipos diferentes de certificados de proficiência em língua francesa
Crédito: Charles PlatiauExistem 4 tipos diferentes de certificados de proficiência em língua francesa

Existem 4 tipos diferentes de certificados de proficiência em língua francesa. O mais tradicional e exigido por grande parte das universidades estrangeiras é o DELF/DALF. Além desse, existem os TCF, TEC e o DAEFLE. Em níveis de exigência, “cada prova tem suas dificuldades”, explica Suzana. O que muda entre elas é a forma de realização (presencial ou online), destino de quem está prestando (para estudos, trabalho, imigração etc.), e urgência.

Durante a pandemia de covid-19, para a realização dos testes de proficiência, a Aliança Francesa emitiu um protocolo sanitário obrigatório, que pode ser acessado aqui. O calendário nacional de provas deste ano pode ser acessado aqui.

Na AF, há cursos de preparação online disponíveis para os níveis B1 e C1, que são os mais procurados. Neste ano, devido à pandemia, as avaliações estão temporariamente suspensas. As provas presenciais são aplicadas pelas 34 unidades da Aliança Francesa de todo o país. Para quem mora em São Paulo, há 3 centros de examinação da AF para realização  dessas provas. Veja sobre cada uma das avaliações a seguir:

DELF/DALF

O DELF (Diplôme d’études en langue française), a avaliação dos primeiros níveis A1, A2, B1 e B2. O DALF (Diplôme approfondi de langue française), é o teste para níveis avançados, C1 e C2. Ambos são certificados oficiais emitidos pelo Ministério da Educação da França. São testes vitalidade vitalícia e avaliam os estudantes em quatro competências: compreensão e expressão oral e compreensão e expressão escrita.

No DELF/DALF “a gente geralmente aplica pedagogia comunicacional, cujo objetivo é avaliar a capacidade de comunicação do aluno candidato”, explica Suzana. No níveis B1 e B2 é avaliada a capacidade de argumentação do candidato, “então vai ter temas de sociedade, como redigir uma carta, ou ligados à universidade ou trabalho”, conta.

De acordo com Suzana, “a partir do nível C1 já são temas que incitam mais o debate e mais complexos de cultura geral”. As provas são aplicadas de duas formas, a avaliação de compreensão oral, compreensão escrita e expressão escrita são feitas coletivamente, já os exames orais são feitos individualmente.

Na hora de se inscrever para o DELF/DALF, o aluno deve se inscrever no nível certo que precisa tirar o certificado. Assim, são 6 tipos diferentes de provas, os DELF A1, A2, B1, B2, e os DALF C1 e C2. Todas as avaliações estão de acordo com o Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas (CECR).

Geralmente, nas universidades francesas, para a graduação a exigência é do nível DELF B2 e DALF. Para o mestrado, geralmente, exige-se o nível C1 do DALF.

Os certificados saem após 1,5 e 2 meses. Por isso, caso você precise tirá-lo, planeje e faça o teste com antecedência. O motivo para esse tempo longo de emissão do certificado é devido ao processo cuidadoso de correção das provas. “Como as provas são feitas presencialmente, com as correções a gente não pode mandar os exames para a casa do professor habilitado, precisam ser organizadas presencialmente”, explica Suzana. Além da correção, antes do certificado ser aprovado, há também júri que se reúne para oficializar tudo.

TCF

O TCF (Test de connaissance du français) é o segundo modelo de prova oficial do Ministério da Educação da França. A diferença do TCF para o DELF/DALF é que, neste caso, a avaliação acontece sem distinção de nível, ou seja, você não precisa selecionar um dos níveis A1, A2, B1, B2, C1 e C2 antes de realizar a avaliação.

Ao contrário do DELF/DALF, onde você vai se matricular no nível que precisa, no TCF você se matricula para a prova e após terminá-la receberá o nível de proficiência de acordo com sua pontuação. Atualmente, o TCF pode ser feito pelo computador. Uma vantagem desse teste é que os resultados aparecem na hora e, por isso, é recomendado para quem tem mais pressa para tirar o certificado.

Além disso, há 6 tipos diferentes de TCF específicos para o objetivo dos candidatos. As opções de modelos TCF são: (1) avaliar o público em geral;  (2) para inscrição no 1° ano de alguma graduação em uma universidade francesa ou em uma das Escolas Nacionais Superiores de Arquitetura;  (3) para quem vai migrar para o Canadá, com exceção de Québec;  (4) para quem vai mudar para Québec;  (5) para quem está pedindo nacionalidade francesa;  (6) e para universitários brasileiros que estão mudando para uma instituição universitária francesa.

TEF

O TEF (Test d’Évaluation de Français) foi criado em 1998 pela CCI (Chambre de Commerce et d’Industrie), de Paris Île-de-Fance. O teste foi desenvolvido pelo chamado setor de ‘francês dos Negócios” da CCI. Tem validade de 2 anos e é aplicado ao longo de todo o ano, em períodos separados de 2 em 2 meses.

DAEFLE

O DAEFLE (Diplôme d’Aptitude à l’Enseignement du Français Langue Etrangère) é destinado a quem irá trabalhar com ensino da língua francesa para não nativos em Francês. O teste foi criado pela Aliança Francesa de Paris Île-de-France e o Centro Nacional de Ensino à Distância (CNED).

COMO SE PREPARAR PARA TIRAR O CERTIFICADO

Uma das melhores formas aprender uma língua para a prova é estudar a própria prova. Com os exames de proficiência não é diferente. Neste link você pode baixar modelos de provas DELF/DALF em todos os níveis.

APRENDER FRANCÊS ONLINE

Bonjour de France

O Bonjour de France tem testes gramaticais e de vocabulário com áudios para todos os níveis. A interface do site é um pouco confusa, mas o conteúdo do site é bastante rico. Por não ter um cronograma linear de ensino, o Bonjour pode ser utilizado paralelamente à outro curso online como complemento.

Français Facile

Assim como o Bounjour de France, o Français Facile possui um conteúdo completo porém com uma interface bastante confusa. Os conteúdos dele possuem um pouco mais de linearidade, entretanto, passa longe de ser parecido com um programa de ensino tradicional.

Français Interactive

O Français Interactive possui uma interface um pouco mais acessível, quando comparada com os anteriores. Entretanto, possui cursos mais voltados para quem está começando a aprender o idioma.

PARA TREINAR

Aplicativos podem ser uma ótima forma de treinar um pouquinho diariamente seu conhecimento da língua e auxilia a memorizar novos vocabulários.

PODCASTS

Veja aqui nosso texto só com podcasts para estudo de Francês separados por níveis. Aqui, destacamos alguns podcasts apresentados no texto.

 Journal en français facile

Com cerca de 10 minutos de duração, este é o podcast ideal para você se manter bem informado sobre o que acontece na França e no mundo, enquanto treina o seu francês. Produzido pela Radio France Internationale – RFI, as notícias são apresentadas em francês legítimo de uma forma acessível, com transcrição gratuita de cada episódio.

Transfert

Narrado em primeira pessoa por Charlotte Pudlowski, esse podcast apresenta histórias extraordinárias (e outras nem tanto), de situações cotidianas que certamente poderiam acontecer com todos nós. Durante 20 ou 30 minutos, somos transportados para as circunstâncias mais engraçadas e inusitadas do dia a dia.

7 – 2 heures de perdues

Para os cinéfilos, o podcast “2 horas perdidas” (em tradução literal) fala sobre cinema de uma forma descontraída através de uma conversa entre amigos. Com duração média de uma hora, cada episódio apresenta conversas bem humoradas sobre os últimos filmes que os integrantes assistiram, com títulos que vão desde o alternativo “O Clube da Luta” ao campeão de bilheterias “Harry Potter”.

JORNAIS

Crédito: Ingenui/iStockMuseu do Louvre (Paris, França)

Para treinar a leitura, acompanhar o noticiário pode ser a melhor forma de ampliar vocabulário e se familiarizar com as formas de falar. Uma sugestão é acompanhar os cadernos de cultura de jornais como o Le Monde e o Libération, que costumam oferecer conteúdos interessantes e de leitura agradável.

FILMES

O cardápio de filmes e séries em Francês em serviços de streaming, como a Netflix e Amazon, é infinito. Para quem está iniciando os estudos na língua, assistir com legendas em Francês pode ser um ótimo exercício. Para quem já possui algum nível de fluência, dá para se arriscar a assistir sem legendas. Selecionamos alguns filmes e séries bem aceitos pela crítica que podem te interessar.

Bienvenue à Marly-Gomont

Disponível na Netflix, Bienvenue à Marly-Gomont é baseado na vida do médico Seyolo Zantoko, pai do músico Kamini. O filme mostra a chegada de Seyolo à França com a família, que foram morar em uma cidade conservadora no interior do país. O filme debate temas como imigração e racismo de forma crítica, porém leve.

Amour

Ganhador do Palma de Ouro em 2012, além diversos outros prêmios de cinema, como o BAFTA, Amour conta a história do casal Georges e Anne. Apaixonados um pelo outro, o filme mostra ambos lidando com algumas dificuldades da 3ª idade quando Anne passa por uma  operação na carótida mal suscedida. O filme é dirigido por Michael Haneke (A Fita Branca).

Tomboy

Tomboy conta a história de Laurie, de 10 anos, que começa a se apaixonar pela vizinha e amiga Lisa. O filme é dirigido por Céline Sciamma e debate temas como identidade de gênero e sexualidade de forma leve e bonita.

Persépolis

A animação Persépolis é baseada no romance gráfico autobiográfico homônimo escrito por Marjane Satrapi. O filme mostra a história de Marjane antes, durante e depois da Revolução Iraniana, quando a autora foi expatriada. Tanto os quadrinhos quanto o filme foi premiado em diversos países, como o Prêmio do júri do Festival de Cannes.

CANAIS DO YOUTUBE

Por fim, selecionamos dois canais do Youtube com explicações de Espanhol para brasileiros. Ambos oferecem explicações gramaticais e de vocabulário e são uma ótima forma para complementar seus estudos.  Para mais canais, veja esse artigo.

O site da Alliance Française de São Paulo oferece gratuitamente o kit de ebooks com dicas e informações introdutórias sobre a língua francesa para quem está começando! O download do material pode ser feito através deste link.


Este texto foi publicado originalmente no portal Estudar Fora, da Fundação Estudar.

Compartilhe: