Publicidade

Informar

Canadá oferece oportunidade de bolsas para estudantes brasileiros

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade

Que tal estagiar em laboratórios canadenses e aprender sem pagar nada? O Mitacs Globalink Research Internship, programa que oferece bolsas para pesquisa em mais de 40 universidades do Canadá para universitários internacionais do Brasil, Austrália, China, França, Índia, Alemanha, México, Arábia Saudita, Tunísia e Ucrânia, está com inscrições abertas até 18 de setembro de 2017.

Os candidatos selecionados participam de um estágio em pesquisa de 12 semanas (a partir de maio de 2018)  sob a supervisão de professores universitários canadenses em diversas disciplinas acadêmicas, desde ciências, engenharia e matemática até as ciências humanas e sociais. A bolsa inclui passagem aérea, transporte até a universidade de destino, seguro-saúde, auxílio para moradia, alimentação, entre outros benefícios.

Bolsas para pesquisas em universidades canadenses

Para se inscrever, é preciso ter no mínimo 18 anos e estar matriculado em um curso de graduação. Além disso, o interessado deve ter completado pelo menos um semestre do curso e ter, no mínimo, três semestres restantes. E não só: para pleitear as vagas, o aluno precisa apresentar notas superiores a 8 e ter obtido 600 ou mais pontos no Enem.

O programa pede o envio de currículo, carta de recomendação, indicação de professor e o histórico escolar em inglês. Neste processo, os candidatos precisam indicar de três a sete projetos de interesse em três províncias canadenses (confira aqui a lista das universidades participantes). Para mais informações sobre a bolsa e inscrição, acesse o site oficial do programa.

O site pode apresentar instabilidade, mas fique calma e tente mais tarde. 

  • Leia também:

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade