Medicina da USP tem cursinho gratuito para alunos de baixa renda

O cursinho é anual e oferecido de forma extensiva, apresentando todo o conteúdo exigido pelos principais vestibulares do país

Por: Redação

O cursinho solidário MedEnsina todos os anos abre novas turmas formadas por estudantes de baixa renda que queiram cursar uma faculdade pública. As aulas serão ministradas por alunos voluntários da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) dos cursos de Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina e Terapia Ocupacional.

O cursinho é anual e oferecido de forma extensiva, apresentando todo o conteúdo exigido pelos principais vestibulares do país e destinado para os principais cursos, não apenas para medicina.

A grade de horários é constituída por aulas regulares noturnas ministradas de segunda a sexta-feira, em anfiteatros cedidos pela Faculdade de Medicina. Os alunos também contam com atividades extras, como aulas de reforço e plantões de dúvidas, além de simulados, tutoria, visitas culturais e outros eventos aos finais de semana.

FMUSP
Estudantes da USP dão aulas em cursinho solidário

Os interessados devem se inscrever online entre novembro e dezembro, quando abre o processo seletivo para 2020 (ainda sem datas). A inscrição tem taxa de R$ 30, mas o curso é totalmente gratuito.

Ao todo, serão ofertadas 260 vagas. A seleção terá duas fases: a primeira delas é uma prova de múltipla escolha, composta por questões de conhecimentos gerais do ensino médio. A segunda fase consiste em uma avaliação socioeconômica.

43% das vagas oferecidas são destinadas aos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas (o valor percentual foi baseado na distribuição demográfica da cidade de São Paulo, constatada pelo Censo 2010 do IBGE por etnia, ajustada pela renda de até 2 salários mínimos).

7 CURSINHOS GRATUITOS OFERECIDOS PELA USP

Idealizado em 2002 por alunos da FMUSP, a iniciativa tem o apoio do professor Doutor Paulo Saldiva, do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz e da instituição.

O objetivo do MedEnsina é promover a democratização de acesso ao ensino superior, possibilitando a pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica a entrada na universidade, por meio de aulas expositivas de preparação para os vestibulares, bem como atividades de promoção e formação do espírito crítico.