Últimas notícias:

Loading...

4 cenas da última edição que não queremos ver no BBB 22

Racismo, xenofobia, tortura psicológica e homofobia foram algumas das grandes discussões levantadas enquanto acontecia o programa

Por: Redação

No Big Brother Brasil muitas coisas podem acontecer, inclusive, por ser um programa que traz a “realidade” dos participantes, às vezes, comportamentos e falas podem pegar mal tanto dentro da casa, como do lado de fora dela. Pensando no que ocorreu na última edição do reality, listamos alguns acontecimentos que não queremos que sejam repetidos no BBB 22.

4 cenas da última edição que não queremos ver no BBB 22
Crédito: Reprodução/TV Globo4 cenas da última edição que não queremos ver no BBB 22

Tortura psicológica

Apesar de o tempo mostrar que de uma história existem muitos lados, o que foi praticado por Karol Conká no BBB 21 contra Lucas Penteado foi difícil de engolir. Em brigas e rixas, todos querem estar do lado “certo” da história, as pessoas geralmente argumentam o seu “não gostar” de alguém ou simplesmente começaram a ignorar tal pessoa para firmar um posicionamento. Mas, no caso de Karol, ela preferiu seguir em um caminho mais sombrio e assim nasceu uma das cenas mais humilhantes da história do BBB.

Homofobia

Na última edição, outro participante problemático foi Rodolffo Mathaus. Um dos primeiros comportamentos preconceituosos do cantor foi quando começou a enfatizar que não gostava do “jeitinho” de Gil do Vigor, assumidamente homossexual.

“Estou com raiva desses gritos”, afirmou o cantor, que também falou que “a voz dele [Gil] está incomodando”.

Antes dessa declaração, Rodolffo já tinha manifestado seu incômodo com Gilberto: “Não consigo ficar perto dele, rir das piadinhas, desses gritinhos dele o tempo inteiro. Eu bloqueio cara, lá na rua eu sou assim”.

Xenofobia

E a Karol Conká também virou discussão internet após tratar a campeã da edição, Juliette, com xenofobia.

Em conversa com Sarah e Thaís, Karol falou que ela é de Curitiba, no Paraná, mas não usava isso para justificar o seu jeito de ser. “Eu sou de Curitiba, é uma cidade muito reservadinha. Por mais que eu sou artista e rodo o mundo, eu tenho meus costumes. Eu tenho muita educação para falar com as pessoas, eu tenho meu jeito brincalhão, mas reparem que eu não invado [o espaço do outro], não desrespeito, não falo pegando nas pessoas. Eu acho estranho, mas essa pessoa [Juliette] falou que não faz por mal”, afirmou a cantora.

Racismo

Embora o BBB tenha trazido pela primeira vez um elenco 50% composto por pessoas pretas, o programa levantou grandes discussões sobre casos de racismo dentro da casa, como aconteceu com o caso do cabelo crespo.

Rodolffo chegou a fezer uma “piada” com uma peruca de fantasia pré-histórica dizendo que era parecida com o cabelo black power do professor João Luiz. O tema gerou grande repercussão no Brasil e a Globo se posicionou com um discurso antirracista, falando sobre a importância do cabelo crespo para a autoestima de pessoas negras.

Compartilhe:

Tags: #Famosos