CORONAVÍRUS
Loading...
Últimas notícias e tudo que você precisa saberAtualizando informações
Infectados-
Mortes-
Recuperados-

Após polêmica em caso Neymar, Globo demite Mauro Naves

Jornalista tinha 31 anos de casa e estava afastado desde 5 de junho

Por: Redação

O jornalista Mauro Naves foi demitido da TV Globo. O repórter esportivo estava afastado do trabalho desde o dia 5 de junho, quando William Bonner leu, no “Jornal Nacional”, nota em que anunciava o afastamento de Naves por ter agido como intermediador de Neymar e o primeiro advogado da modelo Najila Trindade, que denunciou o jogador por estupro e agressão.

O jornalista Mauro Naves
Crédito: Reprodução/TV GloboO repórter esportivo Mauro Naves, que foi demitido da Globo

Mauro Naves tinha 31 anos de casa e foi afastado da cobertura da Copa América, que se encerrou no último domingo, 7.

Caso Neymar: tudo o que se sabe sobre a acusação de estupro até agora

Segundo o “Notícias da TV”, a TV Globo disse que o contrato do repórter esportivo foi encerrado de forma amigável. “O Grupo Globo e o jornalista Mauro Naves decidiram encerrar consensualmente o contrato de prestação de serviços que mantinham. O Grupo Globo reconhece a imensa contribuição de Mauro Naves ao jornalismo esportivo e a ele agradece os 31 anos de dedicação e colaboração”, informou, em nota, a emissora.

Saiba o verdadeiro motivo para o afastamento de Mauro Naves

Apuração do “Notícias da TV” é que, no entanto, a saída da TV não teria sido opção do jornalista.

A nota lida por Bonner afirmava que o motivo do afastamento era que Naves teria fornecido o telefone do pai de Neymar a José Edgard Bueno, então advogado de Najila, em troca de uma entrevista exclusiva. Mas, segundo o site, a Globo teria indícios de que as atitudes dele “contrariaram a expectativa da empresa sobre a conduta de seus jornalistas”.

Mauro Naves era, juntamente com Tino Marcos, o principal repórter esportivo da emissora. Cobria a rotina dos grandes clubes paulistas e também participou de coberturas especiais de Olimpíadas (1996, 2008 e 2016) e de Copas (2006, 2010, 2014 e 2018).

Leia a íntegra da reportagem.

Compartilhe:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.