Bruna Marquezine adota cão em Nova York e é criticada na web

OPINIÃO: A problematização foi longe demais

Por: Maurício Thomaz
bruna marquezine cão
Crédito: Reprodução/Instagram/@brunamarquezineBruna Marquezine adota cãozinho em Nova York e recebe críticas na web

Na última terça-feira, 26, Bruna Marquezine divulgou nas redes sociais imagens de seu novo membro da família: a cachorrinha Amêndoa, que foi adotada em solo americano, em Nova York.

Nas redes, Bruna foi bastante criticada pelos seguidores: “Uns vão para África adotar crianças, outros vão para Nova Iorque adotar cachorro e aqui no Brasil segue tudo uma beleza. Nada de crianças e cachorros precisando de um lar. Que fique claro, não é uma crítica. Apenas uma observação”, opinou um internauta.

Agora a problematização foi longe demais, você não acha? Um cachorro abandonado é um cachorro abandonado, seja aqui no Brasil, seja nos EUA, seja em Senegal. Se Bruna Marquezine adotasse um cachorro no Brasil, Amêndoa continuaria sem lar, assim como aquele vira-latinha senegalês continua pelas ruas a procurar comida.

As críticas direcionadas à atriz não passam de uma exacerbação da vontade de se meter em tudo, de opinar qualquer coisa, de vomitar contradições.

É claro que precisamos nos preocupar com os animais abandonados em solo nacional, e é para isso que serve a política. Você não vai à urna, aperta um número e acha que fez sua parte. Isso é o mínimo do mínimo da cidadania. Você acompanha a gestão do político eleito, você o cobra por mudanças e exige, por exemplo, um plano maior e mais completo sobre direitos animais. A verdadeira mudança começa assim.

Exigir de Bruna Marquezine a adoção de um cachorro no Brasil não te faz mais cidadão, só te faz um intrometido.

Agora veja fotos da doce e fofa Amêndoa <3

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Por: Maurício Thomaz

Editor Executivo de Redação. Libriano com traços piscianos. Amante da praia e do concreto. Rolês no centro de São Paulo são os meus preferidos. Mas que tal falar de política e de futilidade num boteco com cerveja barata?!