CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Repórter do ‘Mais Você’, Nádia Bochi se assume lésbica

A profissional trabalha há 15 anos na TV Globo

Por: Redação
Nádia Bochi e Ana Maria Braga

As empresas brasileiras de televisão aos poucos têm se tornado mais inclusiva, facilitando assim com que seus profissionais possam assumir publicamente suas orientações sexuais. É o caso de Nádia Bochi, repórter do ‘Mais Você’, da Rede Globo, que se assumiu lésbica.

Em uma carta aberta publicada em seu blog, a jornalista falou sobre o processo de reconhecimento e aceitação de sua homossexualidade.

“Me reconheci lésbica numa época em que ser homossexual não tinha nenhum glamour. Não existia beijo gay nas novelas, pelo contrário as lésbicas explodiam junto com os prédios. Aliás, até no cinema era difícil demais encontrar algum tipo de casal que me representasse”, começou ela.

“Tive que inventar o imaginário que não existia fora da ficção, bem lá na realidade crua onde a palavra homossexualismo ainda era nome de doença, segundo a Organização Mundial de Saúde. Parece distante, mas isso tudo foi ontem, nos anos 90. Década em que comecei a trabalhar como jornalista em um dos canais de TV a cabo mais importantes do mundo (a HBO) e tive o a oportunidade de descobrir que era possível ser gay e viver fora do armário”, continua.

Nádia, em um outro trecho, frisa que sempre se relacionou bem com a sua orientação. “Num país desigual, onde mais se mata homossexuais no mundo, sou consciente da sorte de ter descoberto, com 19 anos que era possível viver a minha sexualidade sem medo e tenho feito isso até hoje em todas as minhas relações afetivas. Levo essa coragem pra todos os lugares, porque felizmente aprendi cedo que é possível ser livre.”

Em um outro trecho, a revelou que já foi assediada por um chefe. “Algumas vezes tive que colocar a prova minhas convicções. Enfrentei situações de assédio, como a maioria das brasileiras. E acreditem, quando isso acontece com uma mulher lésbica a violência é muito cruel porque além do ato ser machista é homofóbico”, afirma.

“Lembro da vez triste em que fui assediada por um chefe que insistia em, além de me beijar, questionar minha escolha de amar mulheres. Não permiti que o beijo acontecesse. Principalmente não deixei que aquele ato de violência colocasse em dúvida quem eu era. E mais uma vez, sei e reafirmo que tive muita sorte”, contou.

Nádia Bochi trabalha na Globo há 15 anos e desde 2007 trabalha no programa vespertino apresentado por Ana Maria Braga.

Leia também:

1
Guia Negro entrevista Fabrício Boliveira: ‘A presença de negros na TV ainda é uma batalha’
O ator Fabrício Boliveira afirma que a presença de pessoas negras na televisão ainda é muito pequena e que o …
2
5 séries na Amazon e Netflix perfeitas para você maratonar com o mozão
Está cansado de acompanhar essa avalanche de notícias sobre o coronavírus? Então, separa aquele baldão de pipoca e aquela coberta …
3
Aprenda a fazer uma videochamada no WhatsApp
O distanciamento social que parte da população está fazendo as pessoas conversarem cada vez mais pelo celular. Chega mais que …
4
Jogos Olímpicos de Tóquio são adiados por conta do coronavírus
Os Jogos Olímpicos de Tóquio foram adiados por conta da pandemia de coronavírus. A decisão foi anunciada nesta terça-feira, 24, …
5
Coronavírus: serviços disponíveis para melhorar seus dias em casa
As TVs por assinatura e os serviços de streaming flexibilizaram seus pacotes e ampliaram a programação disponível para jovens, crianças …
6
Babu no BBB20: Precisamos falar sobre racismo
Os inúmeros episódios de racismo sofridos por Babu no BBB 20 estão dando o que falar. Segue com a gente …
7
Ronaldinho Gaúcho e a polêmica do passaporte falso no Paraguai
Dizer que Ronaldinho Gaúcho é o rei do rolê aleatório gera um total de zero novidades. Mas o bruxo resolveu …
8
Assédio de Pyong ganha destaque em paredão com Guilherme e Gizelly
Não faltou polêmica no paredão entre Guilherme, Pyong e Gizelly no Big Brother Brasil 20.Isso porque o paredão desta terça-feira, …