Publicidade

Entreter

‘Turma do Peito’: 5 mães comentam a nova série da Netflix

Por Portal Lunetas

...
Publicidade

Estreou no mês passado na Netflix uma série australiana que tem dado o que falar entre as mães: “Turma do Peito” (The Letdown).  O enredo conta a história de uma aventura tragicômica pelo mundo da maternidade e a batalha de viver um dia de cada vez com um novo ser que vem ao mundo sem manual de instruções.

Assim como a própria maternidade, a série vai encontrando leveza e confiança a cada capítulo, e cada personagem suas próprias respostas para dilemas e dores pessoais.

Como é se sentir você e ao mesmo tempo se sentir uma nova pessoa, com novas responsabilidades? Como é lidar com os desafios reais de ser mãe, de ser pai, e com a pressão dos julgamentos disfarçados de conselhos? Onde é que foi parar aquela autoestima? Todos esses temas e dilemas são apresentados ao longo da primeira temporada que tem sete episódios de aproximadamente 30 minutos com a protagonista Audrey interpretada pela atriz Alison Bell.

Quem viu diz que a trama desperta sentimentos antagônicos: “Quando eu assisti, não sabia se chorava com as personagens ou se ria de nervoso”, comenta Luciana Bento, autora do blog a A mãe Preta. Para ela, que é mãe da Aísha e da Naíma, a série já lança seu tom devastador no primeiro episódio: mulheres reunidas em uma roda de mães, contando suas experiências em relação ao nascimento dos filhos, os tipos de parto, razões das cesáreas ou dos partos humanizados, intercorrências e sentimentos ambíguos. “É aí que você percebe que fazer graça de situações tão delicadas pode não ser uma boa ideia.”

O Portal Lunetas convidou cinco mães que assistiram à série para compartilhar o que acharam da trama. Veja aqui.

  • Leia também:

https://catracalivre.com.br/geral/cuidar/indicacao/filmes-sobre-parto/

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Você sabe o que é feminicídio?

O restaurante de comida havaiana do ex-masterchef Ravi

Conheça o lavandário de Cunha

ASMR: O fenômeno do "orgasmo mental"

Publicidade