Glitter ecológico é opção sustentável para maquiagem no carnaval

Saiba como brilhar no carnaval sem agredir a pele e o meio ambiente

Que tal arrasar no brilho nesse carnaval e ainda contribuir para a diminuição dos impactos no meio ambiente?

Infelizmente, o glitter – popularmente conhecido como “purpurina” – é mais um agravante da poluição por microplástico no mundo. Com menos de 5 milímetros de diâmetro, não é possível reciclá-lo. Ele demora cerca de 400 anos para se decompor e é um dos principais contaminantes das águas.

O Orb Media – site especializado em sustentabilidade – publicou um relatório que constatou que 83% das 159 amostras de água potável, dos cinco continentes, contém vestígios de plástico. Entre eles, o glitter. Intoxicando os peixes e colocando em risco nossa saúde e prejudicando toda a vida marinha.

Em alguns países, entre eles o Reino Unido, Canadá e EUA, o uso de glitter em cosméticos e produtos de higiene pessoal já foi proibido.

Escolhas sustentáveis para brilhar consciente nos dias de folia

Opções de glitter biodegradável – que têm como base substâncias naturais, a partir de algas, pó de pedras, celulose, corantes vegetais e minerais – são alternativas sustentáveis para o uso do glitter e já estão disponíveis no mercado brasileiro.

Na pele, o glitter ecológico também acaba sendo menos agressivo.

Continue lendo aqui e descubra onde encontrar o glitter ecológico e confira uma passo a passo de maquiagem para o carnaval.

Texto produzido por Masaira Elisabetty Bauer  e publicado no Personare.

Compartilhe: