Publicidade

Entreter

‘Festival de Pescado e Frutos do Mar’ do Ceagesp oferece 30 opções de pratos deliciosos

É possível comer à vontade por um valor único de R$62,90

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade

Essa é para os gulosos de plantão: até 6 de dezembro, o Espaço Festivais Gastronômicos Ceagesp recebe a 3ª edição do “Festival de Pescado e Frutos do Mar”, onde é possível comer por um valor único de R$62,90 trinta diferentes opções de pratos deliciosos feitos à base de peixes e frutos do mar.

Podendo comer à vontade, o cardápio conta com pratos que vão desde entradas e saladas até pratos quentes. Uma paella preparada num tacho de mais de um metro de diâmetro e camarões no espeto são alguns dos destaques do menu. Bebidas e sobremesas são cobradas à parte.

Foto: Reprodução/ Facebook
Foto: Reprodução/ Facebook
Foto: Reprodução/ Site Oficial
Foto: Reprodução/ Site Oficial
Foto: Reprodução/ Facebook
Foto: Reprodução/ Facebook
Foto: Reprodução/ Facebook
Foto: Reprodução/ Facebook
Foto: Reprodução/ Facebook
Foto: Reprodução/ Facebook
Foto: Reprodução/ Facebook
Foto: Reprodução/ Facebook

Para quem gosta de comida japonesa a dica é se jogar na mesa de pratos frios. Temakis, sunomono, sushis variados e outras opções mais gourmetizadas como o carpaccio da abacaxi com pimenta rosa e ceviche de saint peter são servidos durante todo o festival.

O objetivo do evento é justamente mostrar toda a variedade de peixes e frutos do mar comercializados no 3º maior entreposto de frutas, legumes, verduras, flores e pescados do mundo: o Entreposto Terminal São Paulo, localizado na Vila Leopoldina, é o responsável por abastecer o mercado de gastronomia da capital e de cidades próximas.

É possível conferir o cardápio no site do festival.

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade