O usuário e/ou senha digitados estão incorretos.

Contêiner de lixo é transformado em piscina

O arquiteto alemão Stefan Beese realizou sua obra mais refrescante: um contêiner de lixo transformado em piscina para a sua casa em Nova Orleans

12/03/2018 11:10

por Redação

Do lixo ao luxo em algumas braçadas: essa foi a proeza do arquiteto experimental alemão Stefan Beese, de 48 anos, que vive em Nova Orleans (EUA). Em seu quintal, ele e sua família se divertem naquele que é um de seus projetos mais úteis para os dias de calor: um contêiner de lixo transformado em piscina, sem quebradeira e com uma estética final das mais “estilosas”.

Créditos: Reprodução/Facebook/Stefan Beese

Um projeto verão em que cabe a família toda

Quem olha para a piscina não imagina como foi feita e logo pergunta para Beese que material foi usado em sua construção. Alguns apostam em fibra de vidro. Nada disso. O arquiteto é um expert em adaptações: em 2008, por exemplo, usou recipientes de carga empilhados para compor uma arquibancada no Voodoo Fest, festival de música e artes de Nova Orleans.

No caso da piscina, batizada de Pool Box, Beese consultou especialistas em gerenciamento de lixo no Estado da Luisiana até encontrar um contêiner de aço com 2 metros de largura, 6,7 m de comprimento, 1,5 m de profundidade e capacidade para 22,9 m³.

A ferrugem do contentor escolhido tinha de ser mínima, e ele também não podia ter abas grandes que comprometessem a aparência final do projeto. Esse tipo de estrutura foi escolhido por ser resistente, segundo o profissional, além de já possuir pontos de montagem que facilitam a transformação.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis.

Créditos: Reprodução/Facebook/Stefan Beese/Dumpster Dive Delux

Olhando assim, ninguém diz qual era o uso anterior dessa piscina

A primeira etapa do processo foi proteger o recipiente de aço com tinta anticorrosão. Uma de suas laterais, inclinada, foi inserida em alguns centímetros na terra para ser nivelada com a outra.Abaixo da piscina, o solo foi protegido com uma camada de calcário. Para evitar vazamentos, foi providenciado um isolamento com espuma de alta densidade.

O forro azul é semelhante ao utilizado em pequenas piscinas montáveis. Na parte externa, o arquiteto se inspirou no design dos banhos japoneses ao adotar tábuas de madeira, facilmente removidas para eventual transporte.

A escada para entrar no recipiente também foi uma ótima sacada: instalou-se uma prateleira retangular em um entalhe original da caixa de aço.

Esse modelo com o uso de contêiner, diz ele, requer menos reforços externos que outros tipos de piscina acima do solo, o que o torna mais sustentável. Seu aspecto final remete a estilos arquitetônicos dos mais contemporâneos.

Um contêiner como o que serviu à empreitada custa entre US$ 1.500 (R$ 4.800) e US$ 2.500 (R$ 8.100), e o total do projeto sai na faixa de US$ 5.000 (R$ 16 mil) a US$ 7.000 (R$ 22,6 mil), de acordo com Beese.

É o preço de se transformar lixo em luxo – e de quebra se refrescar a valer nos dias ensolarados.

Leia também: Vila universitária é construída com contêineres reciclados

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, especialista em soluções sustentáveis.

Veja também

Restaurante verde: lixo zero, energia solar e produtor consciente

Menina cria banco de plástico reciclado para promover inclusão

Economia verde promete 24 milhões de novos empregos em 12 anos

Empresa doa escova de dente de bambu para combater lixo plástico

Bola indestrutível marca gols da inclusão social em todo o mundo

Startup quer implantar 100 hortas urbanas orgânicas em São Paulo