O usuário e/ou senha digitados estão incorretos.

EUA constroem sua primeira cidade movida apenas por energia solar

Para ser autossustentável, com zero emissões de gases de efeito estufa, Babcock Ranch, na Flórida, contará com 300 mil painéis fotovoltaicos

07/03/2018 19:08

por Redação

Criada do zero, uma nova cidade da Flórida, chamada Babcock Ranch, foi pensada para funcionar apenas com energia solar. Será a primeira desse tipo nos Estados Unidos, afirmam seus idealizadores.

A área onde encontra-se Babcock Ranch era inicialmente parte de um grande rancho, cujas terras foram compradas por um ex-jogador de futebol americano, Syd Kitson.

Ele vendeu quase todo o terreno para o governo, para preservar a vida selvagem, mas reservou 20% para construir a nova cidade. Ela tem o tamanho equivalente à ilha de Manhattan, em Nova York.

Créditos: Divulgação

Ilustração mostra casas com varandas voltadas para a rua e a comunidade, na primeira cidade dos EUA movida apenas por energia solar

A ideia é que a cidade abrigue cerca de 50 mil habitantes e seja autossustentável, com zero emissões de gases de efeito estufa. Para isso, conta com 300 mil painéis fotovoltaicos, instalados em uma área de 440 acres.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis.

Créditos: Divulgação

300 mil painéis de energia solar vão abastecer 15 mil residências

Os painéis geram 74,5 megawatts de energia, o suficiente para atender cerca de 15 mil residências. As emissões evitadas são o equivalente a retirar 12 mil carros das ruas por ano.

Embora haja a expectativa inclusive de enviar a energia sobressalente para outras cidades, um desafio que permanece é o do espaço para armazenar a energia gerada. Pelo menos por enquanto, à noite e em dias nublados, a cidade utiliza gás natural e energia nuclear (que é considerada limpa, por ser zero emissões).

O transporte conta com ônibus autônomos (sem motorista) e bicicletas compartilhadas. Para a irrigação, será usada água oriunda de jardins de chuva, que são áreas verdes com plantas que filtram a água naturalmente.

A cidade tem um centrinho com escola, restaurantes, lojas, mercado de produtos cultivados localmente e espaços para reuniões e encontros externos e internos. E até uma incubadora para negócios e empreendimentos locais.

Créditos: Divulgação

Centro terá lojas, restaurantes e espaços de convívio

A previsão é a construção de 19.500 residências, desde as mais em conta até as mais luxuosas.

A cidade segue algumas diretrizes que envolvem aproveitamento de luz natural, ventilação e resfriamento passivos (naturais), com o cuidado, por exemplo, com o posicionamento de janelas nas construções.

Também buscará promover uma vida mais orientada no convívio em comunidade, como priorização de pedestres, varandas de frente para a rua e que garagens não dominem a paisagem das ruas.

Os primeiros moradores chegaram à cidade em janeiro e um lago local foi batizado com seu nome. O valor dos imóveis começa em torno de US$ 190 mil  (cerca de R$ 616 mil) e uma das exigências é que as casas obtenham uma certificação de construção sustentável.

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, especialista em soluções sustentáveis.

Veja também

Restaurante verde: lixo zero, energia solar e produtor consciente

Menina cria banco de plástico reciclado para promover inclusão

Economia verde promete 24 milhões de novos empregos em 12 anos

Empresa doa escova de dente de bambu para combater lixo plástico

Bola indestrutível marca gols da inclusão social em todo o mundo

Startup quer implantar 100 hortas urbanas orgânicas em São Paulo