Alunas do ensino fundamental e médio do Colégio Anchieta, em Porto Alegre, lançaram nesta terça-feira, dia 23, um movimento de protesto contra as regras de vestuário na escola. O abaixo assinado, intitulado "Vai ter shortinho, sim", é destinado a coordenadores e diretores da instituição e questiona a proibição do uso de shorts para as garotas.

As jovens alegam que o colégio não permite shorts em suas dependências. "Eles afirmam que shortinho é 'roupa de praia'", relata Bianca Finamor, de 15 anos, aluna do segundo ano do ensino médio. De acordo com ela, algumas meninas já foram retiradas da sala por estarem de shorts e pediram para que elas vestissem uma calça ou fossem para casa.

Com a mobilização nas redes sociais, elas criaram um evento no Facebook para convocar as estudantes a irem de shorts e blusa preta em um protesto que reuniu dezenas na última quarta-feira, dia 24, no intervalo da aula. Após o ato, algumas alunas foram chamadas para uma reunião com o representante do Diretório Acadêmico, que alegou que a escola iria analisar o caso.

Créditos: Reprodução/Facebook

As estudantes reivindicam o direito de usar shorts na escola

Segundo a cartilha da escola, as garotas devem vestir "blusa de manga, calça, bermuda, vestido ou saia". No entanto, as alunas Bianca e Marina afirmam que a bermuda tem que ser no joelho.

Na petição online, que já soma mais de 13 mil assinaturas até a tarde desta quinta-feira, dia 25, as estudantes pedem "que a instituição deixe no passado o machismo, a objetificação e sexualização dos corpos das alunas; exigimos que deixe no passado a mentalidade de que cabe às mulheres a prevenção de assédios, abusos e estupros; exigimos que, ao invés de ditar o que as meninas podem vestir, ditem o respeito".

Nesta quinta, as meninas combinaram de continuar a reivindicação e todas as apoiadoras usaram shorts e blusa branca. Na sexta, elas deverão usar shorts e camiseta rosa. Com a hashtag #VaiTerShortinhoSim, o grupo tem se manifestado com publicações nas redes sociais e já teve o apoio de muitas internautas.

1/5

Crédito da imagem: Reprodução/Facebook

Foto: Reprodução/Facebook

2/5

Crédito da imagem: Reprodução/Facebook

Foto: Reprodução/Facebook

3/5

Crédito da imagem: Reprodução/Facebook

Foto: Reprodução/Facebook

4/5

Crédito da imagem: Reprodução/Facebook

Foto: Reprodução/Facebook

5/5

Crédito da imagem: Reprodução/Facebook

Foto: Reprodução/Facebook

  • Crédito da imagem: Reprodução/Facebook

    1/5

    Foto: Reprodução/Facebook

  • Crédito da imagem: Reprodução/Facebook

    2/5

    Foto: Reprodução/Facebook

  • Crédito da imagem: Reprodução/Facebook

    3/5

    Foto: Reprodução/Facebook

  • Crédito da imagem: Reprodução/Facebook

    4/5

    Foto: Reprodução/Facebook

  • Crédito da imagem: Reprodução/Facebook

    5/5

    Foto: Reprodução/Facebook

O Catraca Livre tentou entrar em contato com o Colégio Anchieta, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

Ao G1, a escola explicou, por meio da assessoria de comunicação, que em todo começo de ano letivo é encaminhado aos pais um material com todos os detalhes do regimento da instituição, inclusive as normas de vestuário. Leia abaixo a nota enviada ao portal:

"A assessoria de comunicação esclarece que o Colégio Anchieta está acompanhando a reivindicação dos alunos de trazerem para discussão temas da atualidade presentes no contexto educativo e social. Por isso, reitera que está dialogando com a comunidade anchietana (alunos, pais, professores, funcionários) sobre as questões em pauta, de acordo com seus princípios e valores, bem como, seu modo de ser e proceder".

Imagem Autor

Repórter Urbanidade

+ posts do autor