Créditos: Tuane Eggers/Divulgação

Apanhador Só anuncia parada após um de seus músicos ser acusado por relação abusiva

A banda Apanhador Só fez uma publicação em sua página no Facebook anunciando uma parada na carreira.

O motivo: o guitarrista da banda, Felipe Zancanaro (o último da esquerda para a direita na foto) está envolvido em uma polêmica depois que a escritora Clara Corleone fez um relato sobre a relação abusiva que teve durante 5 anos com o músico.

Clara fez um post-desabafo nesta quarta-feira, 16, descrevendo como a relação entre os dois era cheia de traições e abusos psicológicos. No texto, que recebeu mais de 35 mil curtidas e 5,5 mil compartilhamentos, ela chega a acusar Felipe de quebrar um dedo dela.

"Ele tentou me segurar, não mediu força e quebrou meu dedo. Eu dormi, farta, machucada, e só no outro dia percebi que estava com o dedo quebrado. Depois que saí da clínica com o braço enfaixado, ele me perguntou, frio, fumando um cigarro, o que eu ia dizer", escreveu ela na rede social.

Separada há três anos do músico, Clara critica a banda no texto ao mencionar uma de suas músicas, chamada de "Linda, Louca e Livre", do álbum mais recente do Apanhador Só, "Meio Que Tudo É", lançado esse ano.

"Não há nada de feminista ou de desconstruído nesse músico e, mesmo que não seja ele o autor da canção, acho uma piada de mal gosto imensa que o Felipe fique no palco tocando ela durante os shows", critica a escritora. "Acho histérico. O Felipe teve um relacionamento aberto com uma mulher que acreditava estar vivendo um relacionamento fechado. Foi cruel, irresponsável com os meus sentimentos, desleal, covarde", continua ela.

"Usou de todo tipo de artimanha psicológica, eu pensei que estava ficando louca e, de fato, quase enlouqueci. Não pode, agora, a banda tocar uma música que pague de bacana sobre como o homem deixa a mulher livre para ser o que ela quiser dentro duma relação", repreende.

Confira o relato na íntegra:


Após a repercussão negativa nas redes sociais, o Apanhador Só teve um show no fim do mês cancelado pela Unisinos (Universidade do Vale do Rio dos Sinos), no Rio Grande do Sul. "Diante das graves denúncias, o DCE Unisinos optou pelo cancelamento da apresentação. Entendemos que os fatos relatados são incompatíveis com a política e a visão de sociedade proposta pela entidade, o que torna insustentável a realização do evento", a universidade se pronunciou em comunicado oficial.

A banda também se pronunciou alegando que, diante das acusações, suspenderia as atividades da banda. "Lamentamos profundamente tudo o que aconteceu e está acontecendo. Diante dessa difícil situação, resolvemos suspender as atividades da banda por hora. Embora pesarosos, achamos que essa situação pode ser construtiva pra que siga se discutindo questões importantes sobre machismo - que estamos dispostos a rever e modificar cada vez mais em cada um de nós. Assim que for possível, nos pronunciaremos melhor sobre o assunto", diz a postagem da banda.

Vários fãs criticaram pronunciamento da banda. "Amigos, vocês tão parando as atividades porque não querem passar pelo linchamento e fazer show vazio, isso sim", comentou uma internauta. "Nossa, que babacas. Machistas pra caralho, e não têm nem coragem de se pronunciar sobre o assunto", criticou outra.

  • Leia mais:

10 motivos para lutar contra machismo e desigualdade de gênero