Diante do crescente número de refugiados que chegam à Alemanha todos os dias, iniciativas do governo e da sociedade civil têm procurado maneiras de abrigar todos os imigrantes no país. Pelas redes sociais, cidadãos criaram documentos no Google para listar necessidades básicas das famílias de refugiados.

Muitos abrigos estão lotados ou não têm as condições mínimas, como água, comida e roupa, para recebê-los. De acordo com o eldiario.es, voluntários afirmam que o Estado "está intervindo de forma insuficiente" para solucionar esses problemas. Por isso, algumas pessoas tem se organizado para distribuir os bens essenciais e apoiar os refugiados.

Reprodução/Twitter

Créditos: Reprodução/Twitter

A solidariedade entre os alemães foi demonstrada até mesmo nos estádios de futebol

Para além dos itens básicos, projetos na internet estão buscando formas de acolher os imigrantes em casas particulares. Um exemplo disso é o "Refugees Welcome", uma espécie de Airbnb, que combina pessoas dispostas a dividir suas casas com os recém-chegados ao país. Médicos também têm se mobilizado para dar a assistência necessária aos refugiados.

Outra ação interessante é o sistema de aluguel de apartamentos para refugiados. Em Berlim, o 'Trabalho de Assistência e Juventude Luterana' (EJF) foi a organização escolhida pelo 'Departamento Estadual para Saúde e Assuntos Sociais' (LaGeSo) para administrar e intermediar o sistema de aluguéis.

A solidariedade entre os alemães foi demonstrada até mesmo nos estádios de futebol. No último final de semana, o 'Borussia Dortmund' levou 220 refugiados ao estádio para assistir ao jogo contra o 'Odds Ballklubb'.