Antonia Maria Faleiros é mineira de Serra Azul (MG) e tem uma história inspiradora de esforço e superação. De empregada doméstica,  tornou-se juíza usando os livros que encontrou no lixo.

De uma família de 5 filhos, Antônia é a mais velha. Trabalhou desde cedo. Já aos 12 anos passava o dia em canavial. Mas, independentemente da juventude difícil, sempre fez questão de praticar o hábito da leitura.

Reprodução

Créditos: Reprodução

Antônia Maria Faleiros chegou a dormir em pontos de ônibus

O tempo passou e Antônia conseguiu se formar no ginásio e fazer magistério. Mudou-se, então para a capital mineira, Belo Horizonte, para ser empregada doméstica.

Em seguida, inscreveu-se para um concurso de oficial de justiça no Tribunal de Justiça de seu estado. Como não tinha dinheiro para comprar o material de estudos, Antônia pegava do lixo folhas borradas de um mimeógrafo que fazia apostilas de um cursinho preparatório. Ela ficou em terceiro lugar.

Depois dessa vitória, a então oficial de justiça foi estudar direito na Universidade e se tornou juíza. “Eu rompi uma barreira”, diz Antônia. “Gosto de contar essa história para reafirmar: a filha de uma dona de casa simples e de um trabalhador rural pode sim alcançar o que quer. Todos nós podemos”, completa.

Imagem Autor

Jornalista, amante da comunicação.

+ posts do autor