A dupla Simone e Simaria foi entrevistada por Sabrina Sato em seu canal no YouTube. No vídeo publicado ontem, 11, elas falaram sobre a cumplicidade entre irmãs e a ajuda em momentos difíceis, como quando Simaria sofreu com depressão pós-parto.

Créditos: @simoneesimaria/Instagram

Dupla foi entrevistada por Sabrina Sato em seu canal no YouTube

A caçula, Simone, disse que a irmã mais velha é “mãe de todo mundo, bota moral. Tem hora que ela se sente sobrecarregada por essa questão”. Já Simaria revelou que às vezes se sente sobrecarregada quando o “sapato aperta”. E contou que a irmã também já ajudou muito.

“Sempre me lembro de uma coisa muito legar que a Simone fez comigo, que foi quando eu tive depressão pós-parto”, revelou.

A irmã mais nova revelou que permaneceu o tempo todo ao lado de Simaria: “ela chorava muito, adormecia e acordava chorando, desesperada”.

Sabrina, ao saber do problema que Simaria tinha passado, completou: “Isso é bom que as mulheres saibam. Achamos que nunca vai acontecer com a gente. Isso quem sabe que existe, a maioria das mulheres, das minhas amigas, nem sabe que existe. Até ter”.

Veja o vídeo:

Depressão pós-parto e ajuda da família

Existem dois tipos de depressão no pós-parto, segundo a psicóloga Lourdes Brunini, explica ao Minha Vida, parceiro do Catraca Livre.

A mais leve e comum é chamada pelos americanos de "Blues Postpartum" (Tristeza pós-parto, em português), ocorrendo nos primeiros dias após o parto (dois a cinco dias) e dura no máximo algumas semanas. Por ser mais leve, geralmente não é necessário o tratamento com medicamentos, pois cede espontaneamente.

Já a depressão pós-parto, é uma depressão propriamente dita, explica a especialista. Ela ocorre nos primeiros seis meses após parto, podendo ser acarretada pelas condições existenciais e vivenciais nas quais se deu a gravidez.

“Existem também os fatores biológicos, são os resultantes da grande variação nos níveis de hormônios sexuais (estrogênio e progesterona) circulantes e de uma alteração no metabolismo das catecolaminas causando alteração no humor, podendo contribuir para a instalação do quadro depressivo”, aponta Brunini.

A psicóloga explica que o tratamento deve envolver cuidados ginecológicos, psiquiátricos e psicológicos.

“É interessante que os familiares se envolvam com o bebê e a mãe durante as primeiras semanas após o parto, ataques de pânico, culpa, falta de sentimentos pelo bebê e pensamentos recorrentes sobre morte ou suicídio devem ser observados” indica Lourdes. Leia matéria completa.

Depressão pós-parto: 'o amor nem sempre surge logo após o parto'