Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 70% das mulheres sofrem algum tipo de violência ao longo de sua vida; e “A forma mais comum de violência experimentada pelas mulheres em todo o mundo é a violência física praticada por um parceiro íntimo”.

Além disso, ainda segundo a ONU, pesquisas apontam que metade de todas as mulheres vítimas de homicídio é morta pelo marido ou parceiro, atual ou anterior. A violência psicológica também é praticada por parceiros com freqüência.

É sabido que há muito tempo o estupro é usado como tática de guerra, havendo relatos de violência contra as mulheres durante ou após conflitos armados. Na República Democrática do Congo, por exemplo, 1.100 estupros são relatados todo mês; a estimativa é que mais de 200 mil mulheres tenham sofrido violência sexual no país desde o início do conflito armado.

A ONU lançou em 2008 a campanha “UNA-SE pelo fim da violência contra as mulheres”, com o objetivo de prevenir e eliminar esse tipo de violência em todas as partes do mundo, convocando governos, sociedade civil, organizações e mídia para juntar forças e erradicar o problema.

Até 2015, a UNA-SE pretende atingir cinco objetivos:

• Adotar e fazer cumprir leis nacionais para combater e punir todas as formas de violência contra mulheres e meninas;

• Adotar e implementar planos de ação nacionais multissetoriais;

• Fortalecer a coleta de dados sobre a propagação da violência contra mulheres e meninas;

• Aumentar a consciência pública e a mobilização social;

• Erradicar a violência sexual em conflitos.

No Brasil, a Lei Maria da Penha, em vigor há cinco anos, foi criada com o intuito de proteger as vítimas de violência doméstica.

Em caso de violência, ligue 180.