Desde domingo passado, cinco amoreiras, todas com frutos apesar de fora de época, estão num trecho da avenida Paulista. Tirando seus inventores, quase ninguém sabe que são árvores inteligentes: elas se movimentam sozinhas para tirar a poeira de suas folhas, como se quisessem ficar limpas da poluição.

O movimento é regido por sensores, localizados nos galhos, que captam os mais diversos sons – o barulho de um escapamento de moto, por exemplo. “Não é apenas uma exibição de tecnologia, mas uma peça de arte”, afirma Gilberto Prado, coordenador do grupo Poéticas Digitais, responsável pela experiência.

As amoreiras inteligentes são uma síntese da formação profissional e acadêmica de Gilberto Prado, professor de multimeios da Escola de Comunicação e Artes (ECA), da USP, formado simultaneamente em engenharia mecânica e artes plásticas.

Trecho da coluna Urbanidade, publicada no jornal Folha de S. Paulo

Conheça mais sobre o projeto Poéticas Digitais. Clique aqui.

Veja os destaques da mostra "Emoção Artificial" no Itaú Cultural

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=RORnRVp_ye0[/youtube]