Informar

Lixo doméstico reciclado vira banco em criação de designer

A britânica Charlotte Allen coletou seus descartes durante um mês para produzir a peça

Por: Redação

Pegue seu banquinho e sente nele de mansinho – bem em cima do que você costuma jogar fora. Não se trata de metáfora: estamos nos referindo a algo que a designer britânica Charlotte Allen faz literalmente; afinal, ela constrói móveis usando seu lixo doméstico reciclado.

Foi assim que esse banco de 60 cm de altura surgiu. O material que o compõe provém dos descartes de Charlotte ao longo de um mês. Assim, ela batizou a peça de Prolong, ou, em português, prolongar.

O nome se deve à característica do objeto de aumentar o tempo da relação de seu usuário com os próprios resíduos. Em 30 dias, a designer reuniu cerca de 50 garrafas plásticas, além de muito papel e papelão.

O banco feito de lixo doméstico reciclado; os resíduos foram coletados durante um mês
Crédito: Reprodução/Charlotte AllenO banco feito de lixo doméstico reciclado; os resíduos foram coletados durante um mês

Com o uso de prensas, ela transformou essa matéria-prima em um arterfato útil. O assento do banco é feita de plástico HDPE, um polímero de alta densidade usado em garrafas de leite e de xampu. As pernas, por sua vez, são de papel e papelão comprimidos junto com PVA (álcool polivinílico), que funciona como aderente.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis.

A designer Charlotte Allen faz peças usando o próprio lixo doméstico
Crédito: Reprodução/Charlotte AllenA designer Charlotte Allen faz peças usando o próprio lixo doméstico

Charlotte nos deixa uma lição: nada de ficar sentado apenas observando o mundo naufragar em lixo plástico e outros detritos. Se é para se sentar, que seja sobre os próprios descartes – devidamente transformados.

Leia também: Ativista carrega por 30 dias todo lixo que produziu

Todo esse lixo virou um banquinho
Crédito: Reprodução/Charlotte AllenTodo esse lixo virou um banquinho

Contêiner vira ponto de ônibus sustentável em Cuiabá

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, presidente da GranBio e especialista em soluções sustentáveis.