Dimenstein: palavra ‘idiota’ no Google irrita fãs de Bolsonaro

Por: Gilberto Dimenstein | Comunicar erro

Fiz um teste no Google com a palavra “idiota”.

Minha curiosidade tinha um motivo bem simples. O principal executivo do Google, Sundar Pichai, foi cobrado duramente no Congresso, na semana passada, porque, quando se digita “idiot” no buscador, o rosto de Donald Trump aparece em profusão nas imagens.

Muita gente pareceu não aceitar sua explicação sobre como o algoritmo do buscador faz uma escala de relevância a partir das palavras associadas a personagens e instituições.

Fiz esse mesmo teste no Brasil, mas com a palavra “idiota”. O resultado: Jair Bolsonaro ficou em primeiro lugar. Não fiz nenhum comentário, apenas publiquei o resultado da busca. Virei então foco das milícias digitais. Alguns dos “milicianos” viram também conspiração da “esquerda” influenciando o Google.

Daí se vê como os ânimos e a ignorância estão acirrados no Brasil. Ou seja, comentários idiotas sobre a palavra idiota.

O resultado desse debate é que explodiu a procura pela palavra na busca do Google.

Compartilhe:

Autor: Gilberto Dimenstein

Jornalista, educador e fundador da Catraca Livre.