Cinema Marginal e Boca do Lixo são temas do “Curta Cinemateca”

Sessões acontecem todas às terças e sábados de julho com entrada Catraca Livre

Por: Redação | Comunicar erro
reprodução
Filmes do cineasta Carlos Reichenbach integram a programação

A história do Cinema Margianal e a Boca do Lixo, famosa região no centro de São Paulo são destaques da programação do “Curta Cinemateca” de julho.

As sessões que acontecem sempre às terças e sábados, às 18h, na Cinemateca Brasileira, exibem ao longo deste mês (até o dia 4 de agosto) filmes sobre as principais personalidades que do Cinema Marginal e personagens do cenário Boca do Lixo. A mostra apresenta documentários e também ficções de nomes como Ozualdo Candeias, Ody Fraga e Tony Vieira.

Falecido no último dia 14 de junho, o cineasta Carlos Reichenbach, figural central nos dois contextos, é homenageado na programação, que exibe filmes de sua autoria.

Confira nas abas abaixo alguns destaques da programação, indicada para maiores de 14 anos. A entrada é Catraca Livre.

Memória

MEMÓRIA DA BOCA 1

Terça-feira, 3, às 18h
Sábado, 21, às 18h

Carlão, um Autor de Cinema (São Paulo, 2008, vídeo digital, cor, 15’, dir.: Anderson Cássio | Exibição em Mini-DV)
A vida e a obra de Carlos Reichenbach – cineasta, roteirista, professor, fotógrafo e crítico. O documentário apresenta trechos de longas e curtas do diretor, imagens inspiradas na linguagem e estética de suas obras e depoimentos de Reichenbach, críticos, realizadores e atores.

Candeias: da Boca Pra Fora (São Paulo, 2002, 16mm, cor/pb, 17’, dir.: Celso Gonçalves | Exibição em Beta analógica)
Um retrato original de um dos mestres do cinema marginal, Ozualdo Candeias, realizador dos clássicos A margem e Zézero. Divertidos e controversos depoimentos de personalidades como Zé do Caixão, Carlos Reichenbach, Inácio Araújo e Jairo Ferreira.

Soberano (São Paulo, 2005, 35mm, cor, 15’,Ana Paula Orlandi e Kiko Mollica | Exibição em Beta analógica)
Reminiscências resgatam a trajetória do bar Soberano, símbolo da intensa e espontânea produção do movimento cinematográfico da Boca do Lixo.

Memória

MEMÓRIA DA BOCA 2

Sábado, 7, às 18h
Terça-feira, 24, às 18h

Beijo na Boca (São Paulo, 1987, vídeo, cor, 33’, dir.: Jacira Melo | Exibição em DVD)
Aborda o universo das mulheres prostitutas na Boca do Lixo. Numa época em que a AIDS era associada apenas aos gays, a maioria das prostitutas diz não acreditar que pode ser infectada, e se recusa a usar preservativos. Trilha sonora com canções de Milton Nascimento e Mutantes.

Mulheres da Boca (São Paulo, 1981, 16mm, dir.: Cida Aidar e Maria Inês Nunes de Castilho | cor/pb, 22’)
Na Boca do Lixo, sob uma visão feminina, o cotidiano de prostitutas e de seus exploradores, cafetinas e malandros, parte de uma rede social ambígua, entre a malandragem e a corrupção.

Memória

MEMÓRIA DA BOCA 3

Terça-feira, 10, às 18h
Sábado, 28, às 18h

Boca Aberta (São Paulo, 1984, 16mm, pb, 20’, dir.: Rubens Xavier | Exibição em Beta digital)
A rotina de atores e produtores ligados a Boca do Lixo, pólo de produção de filmes de apelo popular e responsável pelas comédias eróticas das décadas de 1960 e 70. Focaliza alguns dos principais protagonistas dessa cinematografia, como Ody Fraga, Ozualdo Candeias e Tony Vieira, que dirigiu mais de 20 filmes.

Strip Tease (São Paulo, 1988, 16mm, dir.: Ivo Branco, cor, 13’)
Realidade, fantasia, voyeurismo, perversão e sedução nos espetáculos de strip-tease apresentados nos cinemas e teatros da boca do lixo.

Minami em Close-up – a Boca em Revista (São Paulo, 2008, 35mm, cor, 20’, dir.: Thiago Mendonça | Exibição em Beta digital)
A Boca do Lixo e seus personagens através da trajetória da revista Cinema em Close-up e de seu editor, Minami Keizi.

Memória

MEMÓRIA DA BOCA 4

Sábado, 14, às 18h
Terça-feira, 31, às 18h

O Olhar Singular de Ozualdo Candeias (São Paulo, 1994, 35mm, cor, 16’, dir.: Arthur Bandeira | Exibição em Mini-DV)
O famoso cineasta de A margem é mostrado em seu habitat, a Boca do Lixo, e faz uma análise de seu método de trabalho, sua vida (já foi motorista de caminhão) e de suas buscas temáticas.

Zézero (São Paulo, 1974, 35mm, pb, 30’, dir.: Ozualdo Candeias | Exibição em 16mm)
Um camponês parte de sua terra em busca dos prazeres da metrópole. O trabalho, a moradia, o sexo e a subsistência logo se revelam difíceis e brutais. Após ganhar na loteria, volta ao campo e encontra a família morta. Agora, pergunta-se: o que fará com o dinheiro?

Memória

MEMÓRIA DA BOCA 5

Terça-feira, 17, às 18h
Sábado, 4 de agosto, às 18h

O guru e os guris (São Paulo, 1973, 35mm, pb, 11’, dir.: Jairo Ferreira)
Documentário aborda o fundador do Clube de Cinema de Santos, Maurice Legeard, um dos pioneiros no Brasil. Jairo Ferreira encontra em Legeard a estratégia para falar da paixão pelo cinema e exercitar a linguagem de invenção que mobiliza sua trajetória como crítico e realizador.

Olho por olho (São Paulo, 1966, 16mm, pb, 22’, dir.: Andrea Tonacci)
 Um grupo de amigos da classe média circula de carro pela cidade de São Paulo, reagindo ao sentimento de impotência e frustração que lhes invade a vida.

Documentário (São Paulo, 1966, 16mm, pb, 22’, dir.: Rogério Sganzerla)
O filme narra as andanças de dois jovens que procuram uma sessão de cinema para passar o tempo.

Compartilhe: