5 opções para escutar chorinho no Rio de Janeiro

Por: Redação

O gênero mais antigo e rico da música instrumental brasileira, presente desde o século 20 em todas as regiões do país, está cada vez mais atuante na cidade do Rio de Janeiro e conta com muitas rodas espalhadas pela cidade.

Para facilitar a vida de chorões e choronas, o Samba em Rede mapeou diversas rodas e estabelecimentos onde se pode escutar e conhecer um pouco mais sobre essa expressão musical genuinamente brasileira.

divulgação
O choro é considerado o primeiro gênero musical urbano genuinamente brasileiro

Confira a seleção:

Roda
divulgação
A roda aberta dedica-se a manutenção e renovação estética do gênero

Segundas-feiras e Terças-feiras

19h30 – Roda de choro do Bar Bip-bip

Fundado em 1968, o bar é considerado um reduto de chorões e sambistas das velhas e novas gerações. Com fotos de grandes músicos nas paredes, o Bip-Bip mantém seu público fiel e atrai toda gente que procura música de qualidade no Rio de Janeiro.

Local: Rua Almirante Gonçalves, 50 – Copacabana

Não é cobrado couvert artístico, mas o público pode contribuir com o valor que achar conveniente.

Bico
divulgação
Um grupo de amigos se reúne para tocar choros e sambas no bar Bico da Coruja há mais de 20 anos

Quartas-feiras

19h – Bico da Coruja 

A roda – também intitulada Bico da Coruja – é formada por: Jorge, músico e professor de literatura que tocou durante dez anos com Aldir Blanc e escreveu 16 músicas sobre Macaé; Benzê, que ganhou o apelido depois de fazer o samba de breque “Benzetacil” e já dividiu palco e mesa com grandes nomes do samba como Monarco, Nelson Sargento, Wilson Moreira, Paulinho da Viola e Moacyr Luz; e Zé Rangel, professor de clarinete e iniciação musical da Sociedade Musical Nova Aurora.

Local: Rua Capitão Benedito Lacerda, 134 – Macaé

Não é cobrado couvert artístico, mas o público pode contribuir com o valor que achar conveniente.

Choro
divulgação
O encontro acontece todos os sábados, a partir das 11h

Sábados

11h – Chorinho da Feira da General Glicério

O Pixin-Bodega comanda roda de choro na tradicional feira de rua da General Glicério, em Laranjeiras. Desde 2009, o grupo faz parte do cenário musical da zona sul da cidade. O repertório passeia por clássicas de Pixinguinha, Waldir Azevedo, Jacob do Bandolim, Ernesto Nazareth e Benedito Lacerda.

Local: Rua General Glicério, s/n – Laranjeiras

Não é cobrado couvert artístico, mas o público pode contribuir com o valor que achar conveniente.

Arruma
divulgação
O evento é gratuito e ao ar livre – em dias de chuva intensa pode ser cancelado

Domingos

11h – Roda Arruma o Coreto na Praça São Salvador

Criado em 2007, o conjunto é formado por Ana na flauta, Mariana no bandolim, Caverna e Mário nos pandeiros, Félix, Gilberto, Tábata e Alexandre nos violões e Maria no cavaco.

Local: Rua Esteves Júnior, s/n – Laranjeiras

Não é cobrado couvert artístico, mas o público pode contribuir com o valor que achar conveniente.

Casa
divulgação
O espaço conta com shows diários

Casa do Choro

Inaugurada em 25 de abril de 2015, a Casa do Choro é considerada o primeiro centro de referência ao gênero no Rio de Janeiro. O espaço conta com shows de quinta a sábado, com ingressos a partir de R$20. Saiba mais na página oficial do lugar.

Reunindo oito salas de aula, estúdio, centro de pesquisa e auditório para shows e palestras, a Casa do Choro abriga e disponibiliza ao público o acervo do instituto relativo ao universo do choro. Ao todo, são mais de 15 mil partituras relacionadas ao repertório do choro desde o século 19, dois mil discos de 78 rotações e LPs e vasto material bibliográfico e iconográfico. Todas as partituras foram digitalizadas e poderão ser consultadas no site.

O local conta com a administração do Instituto Casa do Choro, sob a presidência de Luciana Rabello e vice-presidência de Mauricio Carrilho.

Local: Rua da Carioca, 38 – Centro

Entrada: a partir de R$20.

[tab:END]

Compartilhe: