CORONAVÍRUS
Loading...
Últimas notícias e tudo que você precisa saberAtualizando informações
Infectados-
Mortes-
Recuperados-

Celular falso é criado para ajudar quem é viciado em smartphone

Por: Redação

A nomofobia é um problema da vida moderna e, apresar do termo soar estranho, provavelmente você sabe o que ele causa. Nomo deriva do termo inglês “no-mobile”, que significa “sem telefone celular”, e fobia, do grego, “fobos”, medo.

Foi para ajudar pessoas que tem dificuldade em ficar sem o smartphone por perto que o estúdio de design Klemens Schillinger, da Áustria, lançou o Substitute Phone (telefone substituto, em português), um dispositivo feito para tratar o vício em smartphones, como mostra matéria do Olhar Digital.

Substitute Phone tem esferas de pedra no lugar da tela, que o usuário pode manusear, simulando os gestos que fazemos em um aparelho convencional

Apesar de ter o tamanho e formato parecido com o de um celular, trata-se de um simples pedaço de plástico e metal, com algumas esferas de pedra no lugar da tela, que o usuário pode manusear, simulando os gestos que fazemos em um aparelho convencional.

“Esta calma limitação oferece ajuda aos viciados em smartphones que estejam lidando com sintomas de abstinência, é uma abordagem terapêutica”, descreve o estúdio criador do produto em seu site oficial.

A inspiração para a criação do dispositivo foi a de casos de fumantes que, ao tentar largar o tabagismo, usam itens semelhantes ao cigarro- como gravetos, canetas e outros- para simular o gesto de fumar, gerando o estímulo físico, mas sem ingerir o conteúdo que vicia. Leia a matéria completa.

Oito passos para fazer o detox do celular

O site Minha Vida,  parceiro do Catraca Livreconsultou a  psicóloga Marina Vasconcellos sobre o uso exagerado dos smartphones e como tentar diminuir sua frequência.

“Muita gente, no entanto, acaba viciada em todas as funções que esses aparelhos trazem, como jogos e aplicativos. Essas pessoas se comportam como se, em todos os momentos, acontecesse algo tão importante a ponto de impedir a desconexão”, afirma a especialista

Mas como não dá para abolir o uso dos aparelhos, Marina dá dicas para quem quer controlar o uso deles e ter mais tempo para outras tarefas e interações:

1- Desabilite as notificações

As notificações e atualizações do smartphone desviam não só o seu foco de atenção, mas também de quem está próximo a você. Marina Vasconcellos recomenda que sejam guardados horários durante o dia para ver se alguém te mandou mensagem na rede social ou te desafiou em algum jogo, o que pode até incentivar a boa convivência se respeitados alguns limites.

2- Guarde os momentos na memória

Compartilhar momentos importantes com as pessoas próximas pode ser legal, mas vale refletir se a necessidade de expor sua rotina não está atrapalhando a qualidade das suas experiências e dos seus relacionamentos.

3- Deixe para usar o aparelho nos intervalos

Para não tirar o foco do trabalho ou do estudo, o melhor é deixar para usar o celular em intervalos como a hora do almoço ou a pausa para o café. Mas a psicóloga Marina frisa que, no momento em que você estiver comendo, o melhor é desligar o celular. Só assim é possível sentir as cores, texturas e sabores que fazem parte dos alimentos.

4- Seja racional

Avalie se realmente precisa olhar o celular a todo momento e se realmente está esperando alguma notificação importante.

Se a resposta for negativa, deixe o celular de lado e aproveite a companhia de quem está ao seu lado. “Mas se ela for afirmativa, explique a quem está ao seu redor a importância desse contato”, orienta a psicóloga Ana Luiza Mano, do Núcleo de Pesquisas em Psicologia em Informática (NPPI) da PUC de São Paulo. “O ato de prestar mais atenção no seu celular do que no que está ao seu redor pode ser visto com maus olhos, como se o ambiente estivesse desinteressante”, completa.

Leia a matéria completa e mais dicas no Minha Vida.

https://dev.catracalivre.com.br/tecnologia/centros-de-dependencia-em-tecnologia-atendem-pacientes-com-vicio-em-whatsapp/

Compartilhe:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.