Dengue, Zika vírus e chikungunya: saiba os principais sintomas

Por: Redação

O site Minha Vida fez um comparativo entre a dengue, o zika vírus e a chikungunya para esclarecer quais as principais diferenças detectadas nos sintomas das três doenças.

Em 2015, foram registrados 2.975 casos suspeitos de microcefalia, de acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde no ano passado, sendo que uma das principais suspeitas é que o surto esteja relacionado à infecção pelo Zika vírus durante a gravidez.

Para se ter uma ideia do tamanho do problema, entre os anos de 2010 e 2014 foram registrados um total de 781 casos em todo país. Em 2016 este número continua a subir, com o risco de se espalhar, inclusive, para outros países.

Em relação à contaminação pela dengue, os números também são preocupantes. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil apresentou índice recorde de 1.6 milhão de pessoas infectadas pela doença em 2015. O número é o maior já registrado desde os anos 1990.

Sintomas

Em comum, além de serem transmitidas pela picada do mosquito Aedes aegypti, as doenças aparecem em fases agudas, podendo causar mal-estar, dores no corpo e de cabeça, além de febre alta. “Entre as diferenças, a dor de cabeça costuma ser mais intensa na dengue, enquanto a dor nas articulações é mais intensa na chikungunya e o Zika raramente apresenta febre ou outros sintomas mais característicos”, explica Esper Kallas, coordenador do núcleo de infectologia do Hospital Sírio-Libanês. “A infecção pelo Zika costuma apresentar também um quadro de conjuntivite em cerca de metade das pessoas, a vermelhidão no corpo costuma coçar e ela pode causar um aumento dos gânglios, sinais que não estão presentes nas outras duas”, completa.

Apesar de as três doenças causarem cansaço e dor no corpo, no caso da chikungunya, a dor nas articulações é incapacitante e também pode causar inchaço, impossibilitando a pessoa infectada de fazer as suas atividades diárias.

Veja uma tabela comparativa entre os sintomas no site Minha Vida.

Compartilhe: