Depressão: teste indica se você precisa de ajuda de médicos

Esse teste não substitui consulta a especialistas, mas serve como termômetro.

Por: Redação

Diante do intenso debate gerado pelo suicídio de jovens em escolas de elite da cidade de São Paulo, compartilhamos esse teste de depressão preparado por médicos e psicólogos.

Ele é impreciso, não substitui consulta a especialistas, mas serve como uma indicação a ser considerada – e, aí sim, prestar atenção.

As questões abaixo devem ser respondidas com uma dessas opções:

Nenhuma vez

Dois ou três dias

Mais da metade dos dias

Praticamente todos os dias

Nas últimas duas semanas, com que frequência você se sentiu mal por alguns destes problemas?​

1. Pouco interesse ou prazer em fazer as coisas.

2. Ficar para baixo, depressivo ou sem esperança.

3. Dificuldades para pegar no sono, insônia ou dormir demais.

4. Muito cansaço ou falta de energia.

5. Apetite reduzido ou exagerado.

6. Se sentir mal – você se considera fracassado ou acha que desapontou os seus familiares e amigos.

7. Problemas de concentração para realizar suas tarefas, ler notícias ou ver televisão.

8. Se locomover ou falar muito devagar, a ponto de outras pessoas notarem.

9. Pensar que seria melhor morrer, ou ter vontade de se machucar.

10. Se você passou por problemas ou dificuldades, foi muito difícil superá-los.

Resultado

Se respondeu “mais da metade dos dias” ou “praticamente todos os dias” para mais de quatro tópicos (ou concorda com o item 9), é melhor consultar um psiquiatra.

A depressão é uma doença em que ocorrem desequilíbrios químicos dos chamados neurotransmissores, resultando em alguns sintomas que já conhecemos: tristeza, apatia, pessimismo e muitos outros.

No entanto, além desses sintomas, existem sensações físicas que também podem indicar a presença da doença. Se não for tratada, a depressão pode se agravar, por isso é imprescindível o acompanhamento médico tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento adequado.

Imunidade baixa e dor de cabeça podem acompanhar o quadro
Imunidade baixa e dor de cabeça podem acompanhar o quadro

A seguir, confira lista do site “Minha Vida” com algumas sensações físicas que podem acompanhar o quadro depressivo:

– Imunidade baixa

A depressão leva o indivíduo à prostração – ele não se sente bem fisicamente e mentalmente. Isso pode, de maneira indireta, interferir na imunidade. “Ocorre uma liberação descontrolada de hormônios quando não estamos bem emocionalmente, afetando as células de defesa”, diz Priscila Gasparini Fernandes.

– Cansaço ou fadiga

“A falta da produção adequada dos neurotransmissores serotonina, noradrenalina e dopamina gera uma prostração muito grande em pacientes”, conta Priscila Gasparini Fernandes. O resultado são sintomas como fraqueza, cansaço, falta de ânimo e falta de iniciativa para executar qualquer atividade.

– Distúrbios do sono

Distúrbios do sono são bem comuns: ou o paciente dorme demais, buscando no sono uma fuga da realidade, ou não consegue dormir, por não conseguir se desligar dos problemas que o levaram a depressão. Em ambos os casos, o resultado é um sono de má qualidade. “O paciente não se recupera o suficiente para as atividades que deve exercer, o que explica a piora da do rendimento e da produtividade”, lembra o psiquiatra Luis Gustavo Brasil, da Clínica Maia.

– Problemas digestivos

Quando o individuo está em depressão, há uma baixa na produção dos neurotransmissores, como a serotonina e a noradrenalina. “Esses mediadores são responsáveis pela modulação da dor e também pelo equilíbrio emocional, portanto um paciente depressivo apresenta maior sensibilidade à dor”, explica a psicóloga e psicanalista Priscila Gasparini Fernandes, da Universidade de São Paulo (USP).

Leia a reportagem na íntegra aqui.

Compartilhe: