É preciso aprender a escutar os sinais do nosso corpo

Saber ouvir as nossas próprias sensações nos conduz a hábitos de alimentação saudável

Por: Marcela Kotait | Comunicar erro
mulher com talher em frente a um prato vazio
Crédito: AnaBGD/istockSensações de fome e saciedade não deveriam ser negligenciadas

Entender os sinais do corpo é fundamental para comer de maneira saudável. As sensações de fome e saciedade são os sinais mais importantes, mas também os mais comumente negligenciados.

Como é possível que desconsideremos sensações tão imprescindíveis para uma alimentação saudável? Uma das principais razões está na crescente popularidade de dietas e métodos de restrição alimentar.

Dietas que estabelecem horários rígidos para refeições e quantidades específicas de alimentos a serem ingeridos, por exemplo, contribuem bastante para uma desconexão entre o ato de comer e as sensações físicas de fome e saciedade. Se não ouvimos os sinais, não podemos responder a eles. Isso significa que acabamos comendo quando não temos fome e deixando de comer quando a barriga ainda ronca.

Mas não são apenas os métodos de restrição alimentar que podem nos levar a ficar desconectados com os sinais do nosso corpo. Há também o comer exagerado, que resulta dessa desconexão com o corpo. Comer de maneira automática e desatenta significa ignorar sensações corporais, principalmente as de saciedade.

Ainda que as percepções de fome e satisfação alimentar sejam individuais e subjetivas, é sempre possível educar-se para ouvi-las e entendê-las. Quando isso acontece, somos capazes de decidir não apenas o melhor momento de fazer refeições, mas também o de escolher quanto e o que comer.

Uma interpretação consciente das sensações de fome e saciedade está diretamente relacionada com a conexão com o nosso próprio corpo, o que inclui respeitá-lo e valorizá-lo.

Conexão corporal é como andar de bicicleta: no começo pode parecer difícil, mas, com exercício diário, torna-se algo natural. E o melhor: não precisa de manual de instruções. Seu corpo é seu grande aliado nessa tarefa. É só deixá-lo falar.

Texto escrito pela nutricionista Marcela Kotait.

1 / 8
1
02:47
Lendas sobre a saúde infantil
A Dra. Ana Escobar, pediatra e embaixadora do Horas da vida, fala sobre as lendas que os pais acreditam sobre …
2
02:37
A primeira vez no ginecologista
A Dra. Marianne Pinotti, ginecologista e obstetra fala sobre a primeira consulta no ginecologista. Tem um momento exato para a primeira …
3
03:53
Decisão da Anvisa deve liberar a maconha medicinal no país
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou duas propostas que podem liberar a maconha para fins medicinais e científicos …
4
02:51
O que é o projeto Cuide-se
Em parceria com a ONG Horas da Vida, o Catraca Livre produz vídeos com especialistas para dar dicas de saúde. No …
5
02:18
Vacina contra a gripe é liberada para toda a população
O Ministério da Saúde estendeu a campanha de vacinação contra a gripe para toda a população enquanto durarem estoques dos …
6
05:00
Quais os sintomas que a maconha pode trazer?
Dr. Jair de Jesus Mari, professor titular de psiquiatria da UNIFESP , fala sobre os sintomas que o uso de …
7
03:19
Natureza contra a depressão
A depressão é uma das doenças mais comuns do mundo moderno em grandes cidades e a falta de contato com …
8
02:42
Reconheça facilmente os níveis da depressão
Dr. Jair de Jesus Mari, professor titular de psiquiatria da UNIFESP , fala sobre os principais sinais da ansiedade. Esse vídeo …