Últimas notícias:
Loading...

Estudante quase perde a vida após complicação em piercing

Leia a jornada de Gabriela e entenda os riscos e cuidados necessários com piercings

A jovem médica mineira Gabriela Lacerda, agora com 24 anos, sempre admirou a estética do piercing na concha da orelha. No entanto, essa admiração quase custou sua vida.

Naquela época, Gabriela estava receosa devido as histórias de difícil cicatrização relacionadas ao procedimento. Apesar de seus receios, ela venceu seus medos e se arriscou a fazer o tão desejado piercing.

Mas o que deveria ser uma simples perfuração na orelha virou um pesadelo de proporções perigosas. Em um vídeo compartilhado no TikTok, ela detalha a saga de uma infecção bacteriana que, em última análise, forçou-a a lutar pela vida.

Estudante quase perde a vida após complicação em piercing
Créditos: Arquivo pessoal
Estudante quase perde a vida após complicação em piercing

Estudante de medicina quase perde a vida após complicação em piercing

Os primeiros dias após o procedimento foram incômodos, mas nada fora do comum, de acordo com o que lhe foi informado pela profissional que realizou o mesmo.

No entanto, após o quarto dia, Gabriela começou a notar um inchaço, acompanhado de vermelhidão e a produção de um pus esverdeado.

Apesar de entrar em contato com a profissional, as coisas só pioravam. Tentando controlar a situação, Gabriela se automedicou com antibióticos, mas o estado de sua orelha apenas piorava.

Após conselhos de um professor, ela, por fim, decidiu procurar ajuda médica em um hospital.

Consequências catastróficas

No hospital, ela foi internada de emergência, sendo anestesiada e entubada. Depois da cirurgia, ela ainda sofreu contrações involuntárias e precisou permanecer internada por mais três dias até que a dor fosse completamente controlada.

Riscos e precauções a considerar

O piercing é uma prática bastante comum no Brasil, porém, carrega riscos quando não realizada de maneira correta. Infecções bacterianas, lesões dermatológicas e até riscos de transmissão de HIV ou Hepatite B são apenas algumas das potenciais complicações.

Os profissionais médicos recomendam que o procedimento seja feito apenas em locais especializados, que utilizem equipamentos descartáveis.

Eles recomendam, também, que os pacientes evitem dormir sobre a área perfurada, não toquem na área com as mãos sujas, evitem alimentos gordurosos após o procedimento e mantenham a região limpa.