Fotografia: a vida das famílias com autismo e outros transtornos

“Histórias de sacrifícios, histórias, histórias, histórias… histórias de famílias que fizeram e ainda fazem de tudo para dar as melhores condições de desenvolvimento para seu filho.”

É assim que a fotógrafa mineira Laiza Marinho resume o seu trabalho. Psicóloga por formação, Laiza trabalhou por cinco anos com projetos de inclusão, e por conta das histórias com as quais tinha contato todos os dias, resolveu criar o projeto “Histórias que curam”.

Por meio de fotos bastante realistas, mas ao mesmo com um recorte sutil de perceber o afeto por trás de cada cena do cotidiano, a fotógrafa passou a se dedicar a retratar o dia a dia das famílias que têm crianças com necessidades específicas – autismo, paralisia cerebral e outros transtornos.

“O termo ‘paralisia cerebral’ é muito forte. Quando escutamos, já pensamos em pessoas em estado vegetativo. Era assim que eu pensava”, conta Laiza sobre uma das famílias que acompanhou.

A proposta é sensibilizar a sociedade em geral sobre as dificuldades que fazem parte da rotina dessas famílias, e ao mesmo tempo desconstruir alguns estereótipos que costumam fazer parte da percepção geral de como é a vida de uma criança com deficiência: as limitações e obstáculos existem, sim, mas ela ainda assim conserva em si os traços comuns de qualquer infância.

“O termo ‘paralisia cerebral’ é muito forte. Quando escutamos, já pensamos em pessoas em estado vegetativo. Era assim que eu pensava”, conta Laiza sobre uma das famílias que acompanhou. No blog que ela criou para o projeto, ela conta a história de cada criança e compartilha as percepções sobre determinados aspectos sobre a deficiência que até então eram desconhecidos.

Em entrevista ao Hypeness, Laiza explica que o objetivo principal é dar luz às singularidades de cada criança e minimizar o preconceito e os estigmas em torno do assunto.

“O que me chama a atenção em cada família que eu conheço é sua luta, o esforço e dedicação para que o filho tenha todas as condições necessárias para se desenvolver. Quando converso com os pais percebo as dificuldades, mas também percebo o amor, é isso que os motiva a sempre tentar e buscar todas as possibilidades“, disse.

“Entrar no mundo delas é um grande desafio, nem sei se em todos os trabalhos que fiz consegui isso, mas sei que no meu mundo, elas sim entraram”, explica a artista no site do “Histórias que curam”.

Inspire-se com algumas das imagens do projeto, e clique aqui para ver o ensaio completo:

Imagens do projeto “Histórias que curam”, de Laiza Marinho.

*Com informações de Hypeness

Leia mais:

Compartilhe:

Tags: #Deficientes
1 / 8
1
01:33
Secreção vaginal: quais são os tipos e o que eles indicam
Ter secreção vaginal é normal? A Dra. Marianne Pinotti, ginecologista e obstetra, fala sobre quais os tipos de secreção vaginal e …
2
02:27
Escolhas que trazem longevidade
Se você pudesse escolher viver até os 100 anos, o que você faria? O Dr. João Paulo Nogueira, médico e fundador …
3
02:11
É importante tomar a vacina da hepatite?
O que é hepatite? e qual a importância em se vacinar contra esta doença? O Dr. Gonzalo Vecina, médico e fundador …
4
02:10
Como cuidar da saúde dos olhos
A saúde dos olhos depende de algum fator específico? A história de que comer cenoura faz bem para a visão, …
5
02:15
Os 3 níveis de estresse infantil
Quais são os níveis de estresses que uma criança pode ter? Como eles são classificados? A Dra. Ana Escobar, pediatra e …
6
06:25
O que você precisa saber sobre o HPV?
Quais os sinais que indicam o HPV? E como se prevenir deste vírus? A Dra. Marianne Pinotti, ginecologista e obstetra, fala …
7
03:04
O que fazer para ter uma boa velhice?
Quais hábitos podemos ter para chegarmos bem a terceira idade? O Dr. João Nogueira, médico e fundador do Horas da Vida, …
8
02:29
A relação da diabetes com a visão
Qual a relação da diabetes com a visão? Existe algum sintoma na região ocular que indica diabetes? O Dr. Julio Abucham, …