Últimas notícias:

Loading...

Fungo que destrói tecidos e causa mutilações se espalha pela Índia

Infecção tem atingido pacientes com covid-19, que já estão com a saúde debilitada, e é especialmente perigosa para quem tem diabetes

Por: Redação

Como se não bastasse a pandemia de coronavírus fora de controle, a Índia agora enfrenta outro problema de saúde. Um fungo preto raro e perigoso tem causado inúmeras infecções.

O parasita comumente encontrado no solo, esterco e em frutas e vegetais em decomposição causa mucormicose, mutilando pele, ossos, músculos e órgãos, podendo muitas vezes causar morte de pessoas o sistema imunológico baixo, como pacientes com câncer, pessoas com AIDS e diabéticos.

No país asiático, a mucormicose tem se espalhado entre pacientes com covid-19, que já estão com a saúde debilitada.

fungo preto na Índia
Crédito: Sinhyu/istockFungo preto raro tem se espalhado pela Índia e infectada principalmente pacientes de covid-19

O fungo comumente ataca os seios nasais, sendo aspirado para os pulmões, atravessando mucosas e atingindo os ossos. Nos casos mais graves, o fungo chega até onde ficam as órbitas oculares, comprometendo os músculos e os nervos. Muitas vezes, são necessárias mutilações por meio de cirurgia com o objetivo de salvar a vida da pessoa infectada.

O número exato das infecções na Índia ainda não é conhecido, mas há relatos de que aparece um caso a cada dois dias nos grandes hospitais do país.

Sinais

Os médicos explicam que essa infecção precisa ser identificada o quanto antes. Porém, os primeiros sintomas são pouco específicos. Geralmente, pacientes apresentam olhos e nariz avermelhados. Com o avanço da infecção, desenvolvem febre, dificuldade respiratória, além de apresentar muco preto ou com sangue.

Quem sofre com diabetes está mais sujeito à mucormicose. Como na Índia, muitos não se tratarem, o perigo é maior.

Alguns médicos acreditam que a infecção por mucor pode ser desencadeada pelo uso de esteroides, um tratamento que bastante usado em pacientes com quadro grave de covid-19. Acontece que esse medicamento reduz a imunidade, deixando a pessoa mais suscetível à infecção.

Compartilhe: