Intolerância à lactose: entenda quando a condição tem cura

Condição pode ser reversível dependendo da causa

Por: Redação | Comunicar erro

É possível curar a intolerância à lactose? A resposta para essa pergunta está na origem do problema. Na causa primária, a intolerância à lactose é uma condição permanente. Enquanto que na causa secundária, é uma condição que pode ser reversível quando o que gerou danos à mucosa intestinal é combatido e o tecido restabelecido. Entenda a diferença nesses casos.

A causa determina se a condição é permanente ou não. Foto: Bigstock

A causa primária da intolerância à lactose é a mais comum e consiste na diminuição da produção da lactase, enzima que faz a quebra da lactose em glicose e galactose, permitindo que o processo digestivo siga de forma correta. Quando essa quebra não ocorre, há o aparecimento dos sintomas: gases, diarreia e/ou inchaços na barriga. A diminuição da lactase, porém, pode ser ocasionada por fatores genéticos e, nesse caso, é uma condição permanente.

Já na causa secundária, a produção da enzima lactase é prejudicada por danos na mucosa intestinal que podem ser decorrentes de outras doenças, como diarreia infecciosa, doença celíaca ou outro tipo de enfermidade que prejudique o tecido. Quando a causa principal é tratada e a mucosa intestinal restabelecida, a produção de lactase retorna aos níveis normais e a intolerância à lactose deixará de existir. Por isso, nessas condições, a intolerância à lactose pode ser reversível e, portanto, tem cura.

Convivendo com a intolerância à lactose

Os intolerantes à lactose de causa primária podem conviver de forma harmoniosa com essa condição. Após o diagnóstico, pode ser necessário parar o consumo de lácteos por um tempo para interrupção dos sintomas e reintroduzi-los gradualmente. É recomendado o consumo de produtos lácteos com baixo teor de lactose nesse processo, como a manteiga, queijos maturados, iogurtes e produtos fermentados.

Em conjunto, é importante a manutenção da ingestão de cálcio e vitamina D. Alimentos como vegetais verde escuros, tofu, sardinha, e hábitos como a exposição ao Sol, precisam ser introduzidos e acompanhados por um médico ou nutricionista. Talvez seja preciso fazer uma suplementação alimentar em alguns casos.

Continue lendo aqui e veja quais alimentos podem ser introduzidos no cardápio

Texto produzido por Monalisa Cavallaro e publicado no Personare.

Compartilhe:

1 / 8
1
05:46
Os melhores tipos de música que ajudam na gravidez
A partir do sexto mês de gestação, a criança já tem audição definida. Quais são os estímulos e efeitos que as …
2
03:26
Frota reconhece uso de ‘fake news’ na eleição de Bolsonaro
Na última edição do Roda Viva, da TV Cultura, o deputado federal Alexandre Frota (PSL) revelou que sabia sobre o …
3
04:24
Jatinhos: Bolsonaro ataca Huck, mas não fala nada de Hang
Após receber críticas de Luciano Hulk, o presidente Jair Bolsonaro resolveu mostrar o financiamento que o apresentador  recebeu do BNDES …
4
04:15
Bolsonaro recuará na indicação de Eduardo para embaixada ?
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) admite, pela primeira vez, que existe a possibilidade dele não indicar seu filho, o deputado …
5
02:29
Sequestro na Ponte Rio-Niterói termina após mais de três horas
Um homem armado entrou em um ônibus e manteve 37 reféns no início desta terça-feira, 20, na Ponte Rio-Niterói, via …
6
06:43
Após ser acusado de comunista, Dimenstein cobra provas de Hasselmann
A deputada federal Joice Hasselmann perdeu a calma nas redes sociais ao atacar o jornalista Gilberto Dimenstein, acusando-o de militante …
7
04:53
Netflix e KondZilla lançam ‘Sintonia’, da periferia para o mundo
KondZilla tem razão quando afirma: "A favela venceu". “Sintonia”, a nova série da Netflix, prova isso. A ideia original é dele …
8
04:21
Sinais que indicam problemas no estômago
Ter tosse seca pode ser um sinal que o seu estômago não vai muito bem. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …