Intolerância à lactose: entenda quando a condição tem cura

Condição pode ser reversível dependendo da causa

Por: Redação Comunicar erro

É possível curar a intolerância à lactose? A resposta para essa pergunta está na origem do problema. Na causa primária, a intolerância à lactose é uma condição permanente. Enquanto que na causa secundária, é uma condição que pode ser reversível quando o que gerou danos à mucosa intestinal é combatido e o tecido restabelecido. Entenda a diferença nesses casos.

A causa determina se a condição é permanente ou não. Foto: Bigstock

A causa primária da intolerância à lactose é a mais comum e consiste na diminuição da produção da lactase, enzima que faz a quebra da lactose em glicose e galactose, permitindo que o processo digestivo siga de forma correta. Quando essa quebra não ocorre, há o aparecimento dos sintomas: gases, diarreia e/ou inchaços na barriga. A diminuição da lactase, porém, pode ser ocasionada por fatores genéticos e, nesse caso, é uma condição permanente.

Já na causa secundária, a produção da enzima lactase é prejudicada por danos na mucosa intestinal que podem ser decorrentes de outras doenças, como diarreia infecciosa, doença celíaca ou outro tipo de enfermidade que prejudique o tecido. Quando a causa principal é tratada e a mucosa intestinal restabelecida, a produção de lactase retorna aos níveis normais e a intolerância à lactose deixará de existir. Por isso, nessas condições, a intolerância à lactose pode ser reversível e, portanto, tem cura.

Convivendo com a intolerância à lactose

Os intolerantes à lactose de causa primária podem conviver de forma harmoniosa com essa condição. Após o diagnóstico, pode ser necessário parar o consumo de lácteos por um tempo para interrupção dos sintomas e reintroduzi-los gradualmente. É recomendado o consumo de produtos lácteos com baixo teor de lactose nesse processo, como a manteiga, queijos maturados, iogurtes e produtos fermentados.

Em conjunto, é importante a manutenção da ingestão de cálcio e vitamina D. Alimentos como vegetais verde escuros, tofu, sardinha, e hábitos como a exposição ao Sol, precisam ser introduzidos e acompanhados por um médico ou nutricionista. Talvez seja preciso fazer uma suplementação alimentar em alguns casos.

Continue lendo aqui e veja quais alimentos podem ser introduzidos no cardápio

Texto produzido por Monalisa Cavallaro e publicado no Personare.

Compartilhe:

1
03:38
Cuidados e prevenções para a saúde das mulheres
Dores menstruais parecem típicas, mas podem ser um sinal de endometriose. Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, …
2
02:37
Saiba quais são os sintomas do Transtorno bipolar
O transtorno bipolar vai além das variações de humores. Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, psiquiatra e professor da Unifesp, …
3
01:40
O que é a Fibromialgia e quais os sintomas?
Você já sentiu dores intensas em algumas partes do corpo? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, fala …
4
04:15
Quais são os sintomas que indicam diabetes?
Você sente uma fome excessiva, mas não consegue identificar o por quê? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e …
5
04:43
Quais são os sintomas da Esquizofrenia?
A esquizofrenia é um dos tipos da psicose, que é um sintoma que descreve condições que afetam a mente. Hoje, o …
6
03:10
Como os fatores sociais impactam a expectativa de vida
Saneamento básico e desemprego são alguns dos fatores que podem impactar diretamente com a nossa longevidade. Hoje, a Dra. Aline de …
7
01:28
Psicose: saiba como identificar
Pensamentos vagos e incoerentes? Como identificar um surto psicótico? Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, fala sobre os sintomas da …
8
02:11
Saiba como identificar os sintomas da diverticulite
A diverticulite tem se tornado uma doença comum, principalmente para pessoas acima dos 60 anos. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …