CORONAVÍRUS
Loading...
Últimas notícias e tudo que você precisa saberAtualizando informações
Infectados-
Mortes-
Recuperados-

Menina de 11 anos vende alfajor para ajudar amigo com síndrome rara

Garotinho precisa arrecadar R$ 170 mil para realizar tratamento com células tronco fora do Brasil

Por: Redação

Laura Ferreira Schiestl, de 11 anos, deu um grande exemplo de empatia ao ter a iniciativa de vender alfajor para ajudar o amigo Lucas Saramento, de 6 anos, que é deficiente visual.

O menino, que não enxerga desde que nasceu, é portador da síndrome de Morsier, transtorno raro caracterizado pela má formações da linha média do sistema nervoso central e hipoplasia do nervo óptico.

menino sentado em um banco
Crédito: Reprodução/InstagramEsperança de Lucas é um tratamento fora do Brasil

Recentemente, a família descobriu na Tailândia um tratamento feito com células tronco que pode ajudar o menino a enxergar. Porém, por conta do alto custo, o acesso à terapia ainda é inviável. Somando os valores da passagens, hospedagem e gasto médico, Lucas precisa juntar R$ 170 mil. É por isso que Laura tenta correr contra o tempo e angariar recursos para viabilizar a viagem do amigo.

Já no primeiro dia da iniciativa, Laura conseguiu vender 500 doces por R$2,50 cada um, na escola onde estuda. Depois disso, ela passou a oferecer alfajores em outras escolas e hoje já aceita encomenda através do Instagram da irmã, Bruna Ferreira Schiestl.

View this post on Instagram

Hoje a publicação vai ser um pouquinho longa, mas vale a leitura. Há alguns meses começamos a cuidar do Lucas, um menino lindo que tem Síndrome de Morsier, hipoplasia do nervo óptico e autismo. Conhecendo o Lucas, convivendo com ele, vendo a alegria que ele tem, ficamos mais próximos da sua família. O Lucas não enxerga desde que nasceu e tem chance de enxergar através de um tratamento feito com células tronco lá na Tailândia e que custa R$ 170.000,00. Quando ficamos sabendo disso queríamos fazer algo para ajudá-lo. Então a Laura apareceu com suas peripécias e mais uma vez nos surpreendeu… Resolveu fazer alfajores para vender na escola onde estuda, pediu pra eu conversar com os responsáveis e ver se liberavam a venda. No outro dia cedo eu e o Lucas estávamos no colégio fazendo o pedido, eles nos deixaram vender e no primeiro dia de vendas foram 500 alfajores. Pensem se meu coração estava transbordando felicidade? A Laura sempre nos surpreende e dessa vez não poderia ser diferente, ela não poderia deixa a desejar. E a gente não parou por aí, fomos a outras escolas e conseguimos a liberação para vender também e está sendo um sucesso! Queremos expandir nossa produção de alfajores e agora também aceitaremos encomendas! Quem tiver interesse em ajudar pode entrar em contato comigo, os alfajores estão R$ 2,50 e (modéstia parte) são uma delicia! 😂 Encomendas acima de R$ 20,00 consigo entregar a domicilio. Lembrando que todo dinheiro arrecadado na venda de alfajores será doado para o Lucas fazer seu tratamento. #aosolhosdolucas @campanhalucasb @macarilayne @mabillys @barbarahemkmaier @priscilacraesmeyer

A post shared by Bruna Ferreira Schiestl (@bruschiestl) on

Vaquinha online

A família de Lucas também criou uma vaquinha online para arrecadar o montante que irá custear o tratamento. Até agora, foram angariados quase R$ 2o mil. Acesse o link da vaquinha aqui.

Síndrome de Morsier

A síndrome de Morsier é também chamada de displasia septo óptica. Este transtorno é congênito, ou seja, resultante de um defeito de desenvolvimento embriológico, que pode ter ligação com a idade materna.

De acordo com o Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, dos Estados Unidos, o diagnóstico é realizado por meio de exames de neuroimagem, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

Compartilhe:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.