Ministério da Saúde amplia o horário de atendimento das UBSs

Municípios que aceitarem prorrogar turno terão repasse extra do governo federal

Por: Redação | Comunicar erro
pessoas em frente a UBS no Rio
Crédito: Tânia Rêgo/Agência Brasil Ainda não há data definida para início do novo horário

O Ministério da Saúde anunciou um programa que amplia o horário de funcionamento das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) até as 22h. Hoje a maioria dos postos de saúde funcionam somente até as 17h. Aqueles municípios que aceitarem manter as portas abertas ao público até mais tarde terão um repasse maior de verba do governo federal, segundo anúncio feito pelo ministro Luiz Henrique Mandetta, na Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios.

A medida visa facilitar o acesso por parte dos cidadãos que trabalham em horário comercial aos serviços da Atenção Primária, como consultas médicas e odontológicas, coleta de exames laboratoriais,  aplicação de vacinas, entre outros procedimentos, durante os três turnos.  A ideia é que, com os posto funcionando até mais tarde, o fluxo das UPAs e emergências de hospitais seja desafogado.

“É um modelo que funciona bem para todos, cidades pequenas, médias e grandes. Imagina só a situação de uma mulher e marido que começam a trabalhar às 6h da manhã. A esta hora, o posto está fechado. No almoço, porque o funcionamento é de apenas 40h, também está fechado. Na volta para casa, o posto também está fechado, porque o expediente vai só até às 17h, em média. O que resta, então? As UPAS e hospitais, que ficam lotados e é justamente isso que vamos trabalhar para resolver”, explicou Mandetta.

Segundo o ministro, o programa é “modular”. Cada cidade poderá avaliar se quer estender o limite, estipulado hoje em 40 horas. As unidades que ficarem abertas durante 60 horas semanais passarão a receber R$ 44,2 mil, contra R$ 21,3 mil pagos hoje. Já no caso de atendimento durante 75 horas semanais com saúde bucal, o valor vai de R$ 49,7 mil para R$ 109,3 mil. Esse recurso prevê a ampliação de três para seis equipes de saúde da família.

Serão cobradas algumas contrapartidas. Entre elas, o cadastro dos moradores, o controle de hipertensos, o respeito à classificação de risco e a vacinação a qualquer hora. A expectativa da equipe do Ministério da Saúde é que cerca de 2 mil unidades possam aderir ao programa. Hoje, o país conta com mais de 42 mil unidades básicas de saúde. A iniciativa estará disponível em breve, mas o ministro não definiu uma data.

Compartilhe:

1 / 8
1
02:18
Conheça o programa “É Melhor Prevenir”
Conheça a série  “Melhor Prevenir” da Catraca Livre para melhorar a qualidade de vida. Os videos ensinam a identificar sinais de …
2
02:37
Os principais sinais da depressão
Dr. Jair de Jesus Mari, professor titular de psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo, ensina sobre os principais sinais …
3
03:28
A receita do prazer sexual na gravidez
Claudio Basbaum, ginecologista e obstetra da maternidade São Luiz,  compartilha a receita do prazer sexual na gravidez.
4
05:29
Como o estresse interfere na saúde do bebê
Claudio Basbaum, obstetra na Maternidade de São Luiz, é conhecido como o médico que implantou no Brasil o parto humanizado. Esse …
5
04:59
Como o sono ruim dificulta a perda de peso
Professor associado da Faculdade de Medicina da USP e cirurgião especializado em aparelho digestivo, Raul Cutait mostra nesse vídeo a …
6
01:52
Terapia da natureza: mais saúde para o corpo e para a mente
Já pensou em ir ao médico e ele lhe receitar levar o cachorro para passear, plantar flores, procurar conchas na …
7
03:37
Saiba como ter uma boa alimentação na gravidez
Claudio Basbaum, obstetra na Maternidade de São Luiz, fala sobre a melhor alimentação durante a gravidez. Este vídeo faz parte da …
8
06:38
Sinais que revelam que uma criança está com câncer
Antônio Sérgio Petrilli, professor titular de Pediatria na Unifesp, mostra os principais sinais de que uma criança está com câncer. Petrilli …