Últimas notícias:

Loading...

6 regras para manter a saúde da vagina

Tecido da calcinha e até alimentação podem influenciar na saúde íntima

Por: Redação
ilustração de uma vagina com flores
Crédito: Olgamoopsi/istockSecreções e odor característico são coisas naturais, mas é preciso ficar atenta

Como saber se sua vagina está saudável? Embora dependa um pouco da idade da mulher, o órgão sexual feminino geralmente tem um pH ácido, contém quantidades ricas de bactérias benéficas que ajudam a evitar infecções e é naturalmente lubrificada. E ao contrário do que muitas mulheres podem pensar, vaginas saudáveis dificilmente deixarão a calcinha sempre seca.

As secreções são uma reação fisiológica natural para o descarte de células cervicais e vaginais. Um corrimento vaginal é considerado normal quando apresenta coloração clara ou esbranquiçada, parecida com clara de ovo, não possui cheiro forte, não provoca coceira ou ardência.

Já se a mulher perceber alterações no odor, na cor da do corrimento ou algum desconforto pélvico ou vulvar, como prurido ou ardor, é necessário passar por uma avaliação médica.

E o cheiro? Embora um ponto ainda questionável por algumas mulheres, é preciso entender e aceitar que a vagina tem, sim, um odor característico. E isso é natural. Na maioria das vezes, é um cheiro suave, pouco perceptível, mas que muda de intensidade de acordo com as fases do ciclo menstrual.

Confira as regras para manter a saúde da vagina

mulher segurando uma flor
Crédito: Elitsa Deykova/istockSiga esses cuidados para garantir a saúde íntima

1. Proteja o pH da vagina

Normalmente, o pH vaginal é de cerca de 3,8 a 4,5, mas usar ducha higiênica para higienizá-la pode interferir nos níveis de pH da região, reduzindo a acidez e perturbando um bioma vaginal saudável – a composição bacteriana da sua vagina – e preparando o terreno para infecções bacterianas.

Se a sua vagina tiver um odor forte ou desagradável, consulte o seu médico; uma ducha só encobrirá o cheiro sem curar o problema que está causando isso. Evite usar sabonetes na vulva ou no interior da vagina, pois eles também podem afetar um equilíbrio saudável do pH.

2. Mantenha uma dieta saudável para a saúde vaginal

Você pode não perceber, mas seguir uma dieta balanceada e nutritiva e beber muitos líquidos são essenciais para a saúde vaginal e reprodutiva. De fato, certos alimentos podem ser eficazes no tratamento de problemas de saúde vaginal. Iogurte, por exemplo, pode ajudar a prevenir infecções fúngicas, pois é rico em probióticos, especialmente o iogurte grego simples, por isso, se uma mulher é propensa a infecções fúngicas, tomar um probiótico rico em bactérias Lactobacillus, ou tomar iogurte grego todos os dias pode ser útil .

3. Pratique sexo seguro 

O uso de preservativos – do tipo masculino ou feminino – durante o sexo ajuda a proteger contra infecções sexualmente transmissíveis (DSTs), como HIV, herpes genital, sífilis, gonorréia, verrugas genitais e clamídia. Alguns deles, como o HIV e o herpes genital, não têm cura. E outros, como o papilomavírus humano (HPV), que causa verrugas genitais, são conhecidos por causar câncer.

Uma orientação importante que talvez nem todas as mulheres saibam é preciso trocar o preservativo quando mudar de sexo oral ou anal para o sexo vaginal, por exemplo. O cuidado evitar a introdução de bactérias nocivas na vagina. Também deve-se evitar o compartilhamento de brinquedos sexuais com o parceiro, a fim de se evitar DSTs.

4. Visite o ginecologista sempre que perceber alguma anormalidade

Ter exames ginecológicos regulares é crucial para manter a saúde vaginal. No Brasil, o Ministério da Saúde sugere que o papanicolau seja repetido um ano depois do primeiro exame e, se os resultados forem normais, o intervalo deverá passar a ser de 3 anos.

5. Trate as infecções assim que elas aparecerem

A região da vagina é bastante propensa a infecções, irritações e alergias. Com uma pele mais fina e sensível, em uma área abafada e muito próxima ao canal anal e da uretra, acaba ficando suscetível a fatores internos e externos.

Três tipos de infecções vaginais são comuns: infecção por fungos, vaginose bacteriana e tricomoníase. Se os sintomas não desaparecerem, então, é preciso passar pelo médico.

6. Escolha roupas com cuidado 

Certos tipos de tecidos e roupas justas criam condições quentes e úmidas nas quais a levedura se desenvolve. Dê preferência a calcinhas de algodão respirável e evite ficar muito tempo com o biquíni molhado ou roupas de academia suadas.

Outra dica é levar sempre uma ou duas calcinhas com você para trocá-las no trabalho ou na escola, caso seu corrimento seja intenso durante o dia. Isso ajudará você a se sentir mais confortável e a evitar infecções. E sempre que possível, tente dormir sem calcinha para deixar a vagina “respirar”.

Confira outras dicas importantes de cuidados para a higiene íntima feminina:

– Higiene íntima não quer dizer higiene interna. A limpeza deve concentrar-se na região da vulva, sem ser direcionada para região interna da vagina.

– Utilize o papel higiênico sempre no sentido da vagina em direção ao ânus para que não haja a contaminação com as bactérias provenientes do intestino.

– Durante a menstruação, o intervalo entre as trocas de absorventes não deve exceder quatro horas durante o dia.

– Lenços umedecidos, perfumes íntimos, absorventes perfumados e talcos podem provocar irritações, secura, ardências ou reações de hipersensibilidade.

– Não use duchas ou cotonetes na limpeza da região.

– Para quem usa lubrificante na região, opte pelos produtos feitos à base de água.

Compartilhe:

Tags: #Saúde