Os principais fatores de risco de AVC em jovens adultos

Os idosos não são os únicos que sofrem AVC. Certas condições de saúde e estilo de vida também podem causar derrames em jovens

Pensamos no AVC como algo que acontece com pessoas idosas. Mas a prevalência entre adultos mais jovens tem aumentado nos últimos anos.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a taxa de pessoas com menos de 45 anos acometidas pela doença passou de 10% antes da pandemia de covid-19 para 18% em 2022.

Mas, afinal, o que coloca os jovens adultos em risco de AVC?

Apesar de incomum em pessoas com menos de 45 anos, quando o AVC ocorre nessa fase da vida, a principal causa é a hipertensão

De acordo com a OMS, para cada 10 pessoas que morrem de acidente vascular cerebral, quatro poderiam ter sido salvas se a pressão arterial tivesse sido regulada.

Outro fator de risco comum é o cigarro. Os fumantes têm risco duas vezes maior de desenvolver um quadro de AVC em comparação com pessoas que não fumaram ao longo da vida.

Certos hábitos de vida aumentam o risco de AVC entre jovens adultos
Créditos: SergeyNivens/DepositPhotos
Certos hábitos de vida aumentam o risco de AVC entre jovens adultos

Assim como cigarro, o uso de álcool e drogas ilícitas também é um fator de risco considerável entre os jovens. 

Fibrilação atrial, insuficiência cardíaca, doença coronariana, ataque cardíaco, diabetes, colesterol alto e obesidade também são fatores de risco importantes para o AVC.

Estudos também descobriram que a enxaqueca é um fator de risco não tradicional de AVC mais importante entre os mais jovens, levando a 20% dos AVC nos homens e quase 35% nas mulheres.

As mulheres têm ainda outra preocupação. Pesquisas apontam que o uso do anticoncepcional pode aumentar riscos de AVC isquêmico em duas vezes.

Por fim, mas não menos importante a falta de atividade física e alimentação incorreta (rica em gorduras saturadas e/ou sódio e/ou pobre em vegetais e frutas) também contribuem com as chances de alguém desenvolver AVC.

Tipos de AVC

Existem dois tipos de acidente vascular cerebral: isquêmico e hemorrágico.

O maior aumento está sendo observado em acidentes vasculares cerebrais isquêmicos que resultam de coágulos sanguíneos que bloqueiam as artérias e que viajam para o cérebro.

O AVC acontece quando vasos que levam sangue ao cérebro entopem ou se rompem, provocando a paralisia da área cerebral
Créditos: Mohammed Haneefa Nizamudeen/istock
O AVC acontece quando vasos que levam sangue ao cérebro entopem ou se rompem, provocando a paralisia da área cerebral

Os derrames hemorrágicos, que ocorrem quando um vaso sanguíneo no cérebro ou próximo a ele se rompe, são muito menos comuns.

Quais os sinais de AVC?

  • Dormência ou fraqueza repentina no rosto, braço ou perna, especialmente em um lado do corpo.
  • Confusão repentina, dificuldade para falar ou dificuldade para entender a fala.
  • Dificuldade repentina para enxergar com um ou ambos os olhos.
  • Dificuldade repentina para caminhar, tontura, perda de equilíbrio ou falta de coordenação.
  • Dor de cabeça intensa e repentina, sem causa conhecida.

O que fazer se suspeitar de AVC?

Com derrame, é necessário agir rapidamente. A cada minuto, dois milhões de células cerebrais morrem. Por isso, conhecer os sinais e procurar ajuda médica imediata são ações fundamentais. 

Como prevenir o AVC em jovens

Cerca de 80% dos acidentes vasculares cerebrais podem ser evitados com um estilo de vida saudável.

Cuidados necessários:

  • Controle seu diabetes, se você tiver.
  • Controle a pressão alta.
  • Alimente-se bem e faça exercícios
  • Mantenha um peso saudável.
  • Limite a ingestão de álcool.
  • Pare de fumar.
  • Gerencie seu colesterol.
  • Faça exames regulares.