Otimistas têm vida mais longa que pessimistas, aponta pesquisa

Pessoas que têm um sentimento permanente de que coisas boas vão acontecer vivem em média 11% mais

Por: Redação

Sabe aquela máxima de que pensar positivo atrai coisas boas? Pois, quando falamos de longevidade, isso faz todo o sentido. Calma. Não é que, se você ficar pensando “Quero viver até os 100 anos”, isso de fato vai acontecer. A lógica é outra. Na verdade, um novo estudo mostra que os otimistas têm vida mais longa que os pessimistas.

Pesquisa americana descobriu que otimistas têm vida mais longa
Crédito: IStock/PeopleImagesPesquisa americana descobriu que otimistas têm vida mais longa

Para chegar a essa conclusão, foram décadas de pesquisa. Ela foi realizada por estudiosos das faculdades de medicina da Universidade de Boston e de saúde pública de Harvard.

Eles analisaram cerca de 70 mil mulheres ao longo de 10 anos e 1.400 homens durante 3.

Além de checar hábitos como alimentação, consumo de álcool e ser ou não fumante, a pesquisa avaliou um quesito muito menos palpável: o nível de otimismo.

E como ele se caracteriza? Em suma, trata-se de um sentimento permanente de que coisas boas vão acontecer.

Em termos práticos, isso se traduz em saber regular e controlar emoções e comportamentos, bem como lidar com o estresse e suportar dificuldades. E essas características podem ser trabalhadas por meio de terapia, por exemplo.

Pela pesquisa americana, independentemente do gênero, os mais otimistas tiveram uma vida 11% mais longa que os pessimistas, em média. Além disso, sua chance de chegar aos 85 anos foi de 50% a 70% maior.

Por sinal, os resultados não mudaram em relação a aspectos como doenças crônicas, atendimento médico primário, nível de escolaridade e mesmo hábitos de saúde.

Então, pensar positivo funciona de fato. Mesmo que não assegure um futuro longevo, é uma forma de viver mais feliz no presente.

Leia também: Saiba por que o cigarro eletrônico é até mais nocivo que o normal

Compartilhe:

Tags:#Saúde