Publicidade

Informar

Pesquisa aponta que embalagens plásticas podem causar doenças

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade

A revista médica The Lancet Diabetes & Endocrinology publicou um estudo que aponta uma relação entre o uso de vários tipos de embalagens – sobretudo as plásticas – e o desenvolvimento de problemas de saúde bem sérios.

Alguns compostos químicos das garrafas plásticas podem aumentar o risco de diabetes, obesidade e alguns tipos de câncer
Crédito: Getty Images/iStockphotoAlguns compostos químicos das garrafas plásticas podem aumentar o risco de diabetes, obesidade e alguns tipos de câncer

Segundo os pesquisadores da NYU Langone Medical Center, é comum encontrar compostos químicos perigosos em embalagens de alimentos feitas de plástico e metal (como produtos em conserva enlatados), garrafas de detergente, brinquedos, cosméticos e pesticidas. O problema é que esses compostos perturbam o sistema endócrino, interferindo com a produção natural de hormônios.

Após três anos de pesquisa, os cientistas observaram que a contaminação também aumenta o risco de problemas neurológicos, infertilidade masculina, problemas de saúde no nascimento, endometriose, obesidade, diabetes, alguns tipos de câncer e até podem causar uma baixa no Q.I.. Todos os problemas de saúde ligados aos compostos químicos citados no estudo custam mais de mais de 340 bilhões de dólares em tratamentos de saúde nos Estados Unidos, anualmente.

No estudo, a equipe da NYU Langone analisou amostras de urina e sangue de participantes da National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES). Desde 1999, a NHANES reúne informações sobre fatores de risco de doenças sérias pesquisando cerca de 5 mil voluntários por ano.

Mais informações sobre o estudo (em inglês) aqui.

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Museu de Anatomia Humana da USP exibe peças que ensina como o seu corpo funciona

Cereja Flor: O lugar das taças de sorvetes gigantes em São Paulo

Fondue taiwanês é a próxima delícia que você tem de provar

Médica tira dúvidas sobre anticoncepcional

Refugiados se tornaram microempreendedores em um lava-rápido em São Paulo

Publicidade