Pesquisa mostra que ter amigos diminui riscos de desenvolver doenças

Por: Redação

Uma pesquisa da Universidade da Carolina do Norte apontou que quanto mais amigos uma pessoa tiver da infância ao longo da vida, melhor será a sua saúde na adolescência e na velhice.

O estudo é o primeiro a vincular as relações sociais para evitar doenças como obesidade, inflamação e pressão arterial elevada, que em longo prazo podem causar doenças cardíacas, acidente vascular cerebral e câncer.

Para chegar à conclusão, foram analisados dados de quatro pesquisas realizadas com pessoas dos Estados Unidos. Os cientistas avaliaram integração, apoio e pressão nos relacionamentos e como as amizades de cada pessoa se associavam aos quatro fatores ligados ao risco de mortalidade: pressão sanguínea, circunferência da cintura, índice de massa corporal e circulação da Proteína-C Reativa, que mede a inflamação.

“Com base nestes resultados, deve ser tão importante encorajar adolescentes e adultos jovens para construir relacionamentos sociais amplos e a desenvolver habilidades sociais para interagir com os outros tanto quanto a ter uma alimentação saudável e ser fisicamente ativo”, comenta Kathleen Harris, uma das pesquisadoras.

De acordo com a pesquisa, o isolamento no período da adolescência aumenta o risco de inflamação e obesidade abdominal. Já na velhice, aumenta os riscos de diabetes e hipertensão.

Na idade adulta, o número de conexões não importa tanto. O mais relevante é que os amigos possam dar apoio sempre que preciso.

“Nossa análise deixa claro que os médicos e outros profissionais da saúde devem redobrar seus esforços para ajudar o público a entender como os laços sociais são importantes ao longo de nossas vidas”, explica Yang Claire, outra pesquisadora.

Pesquisa mostra que ter amigos é tão importante quanto alimentação saudável e atividades físicas
Crédito: JOSH_HODGEPesquisa mostra que ter amigos é tão importante quanto alimentação saudável e atividades físicas

Compartilhe: