Por que temos a sensação de cair da cama quando adormecemos

Esse fenômeno geralmente manifesta-se de forma breve e brusca, nos fazendo despertar

Você está adormecendo e então a sensação de que está caindo de repente o traz de volta à realidade. Quem nunca teve essa sensação de estar caindo da cama?

Esse fenômeno tem nome: é o “espasmo hípnico” ou “sobressalto do sono” ou ainda “mioclonia noturna”.

É desencadeado por um movimento muscular involuntário, que ocorre quando o corpo está no estágio de transição entre a vigília e o sono leve, conhecido como estado hipnagógico.

Geralmente, esse espasmo vem junto de uma alucinação visual, como a queda de um muro, por exemplo. Algo que nos remente a um sonho.

Mas o que exatamente provoca esse espasmo?

Quando o corpo entra num estado de relaxamento profundo em preparação para o sono, esta sensação pode ser mal interpretada pelo cérebro como o corpo caindo e, portanto, estando em perigo.

Sensação de estar caindo da cama é normal, mas há alguns fatores que podem intensificar a frequência
Créditos: stockbusters/DepositPhotos
Sensação de estar caindo da cama é normal, mas há alguns fatores que podem intensificar a frequência

Então o espasmo hipnótico traz você de volta à plena consciência. Uma explicação proposta para a ligação entre “cair” e experimentar um espasmo hipnótico no estado hipnagógico é que se trata de um reflexo que melhorou as chances de sobrevivência dos nossos antepassados.

Uma pesquisa realizada na Universidade de Colorado, nos Estados Unidos, essa reação servia para alertar os nossos ancestrais quando relaxavam demais e dormiam sem querer em um local perigoso.

Mas há também a teoria de que um conflito cerebral esteja por trás do fenômeno. Seria como se o sistema responsável por manter o indivíduo desperto tivesse em atrito com o mecanismo que induz o sono.

Essa sensação de cair da cama é normal?

Experimentar espasmos hipnóticos não é considerado anormal ou motivo de preocupação, mas pode ser agravado pelo consumo de estimulantes e também pelo estresse.

É por isso que as pessoas podem experimentar essa sensação estranha, mas inofensiva, em momentos particularmente estressantes da vida.

Como o espasmo hípnico está relacionado com a atividade motora, é provável que tudo aquilo que mantém ativo nosso sistema motor à noite aumente as possibilidades de experimentar esse fenômeno, e possivelmente de modo mais intenso.

É possível evitar ou reduzir os espasmos noturnos?

De acordo com o Instituto do Sono, é possível controlar alguns fatores para prevenir essa reação do corpo. Algumas das medidas incluem :

  • cuidar da qualidade de sono
  • não praticar atividade física antes de dormir
  • buscar métodos para relaxar e diminuir o estresse
  • tratar adequadamente distúrbios de sono, como a ansiedade
  • evitar consumir cafeína ou outras bebidas estimulantes

Em casos intensos em que a qualidade do sono esteja sendo afetada por conta desses espasmos, é importante buscar um médico especialista em sono.

A polissonografia, um exame feito enquanto a pessoa dorme, ajuda a avaliar a atividade cerebral durante a noite e identificar possíveis distúrbios de sono.