Saiba quais são os fatores que agravam as olheiras

As olheiras são um problema comum entre homens e mulheres. Saber o que pode causar o escurecimento ao redor dos olhos é importante para evitá-lo, sem a necessidade do uso de corretivos e outras maquiagens. Na maioria das vezes, as olheiras estão ligadas à genética, mas outros fatores também podem agravá-las.

De modo geral, as olheiras são classificadas em dois tipos: vascular, quando os vasos sanguíneos ficam visíveis (cor azulada), e a pigmentar, quando há acúmulo de melanina na região (cor marrom). O site ‘Minha Vida‘ consultou especialistas e publicou uma matéria com oito fatores e hábitos que podem causar as olheiras.

Confira os fatores e hábitos que podem agravar as olheiras
Confira os fatores e hábitos que podem agravar as olheiras

Confira alguns dos fatores:

Cansaço e choro

Os momentos em que as olheiras mais dão as caras é depois de uma sessão de choro ou uma noite mal dormida. Em ambos os casos, o escurecimento da região aparece devido a um problema circulatório. “As pálpebras são áreas terminais da face, e por isso ficam com muita vascularização, deixando a pele mais azulada”, sinaliza a dermatologista Mônica Aribi, membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD).

Nesses casos, em que a má circulação é temporária, é possível amenizar as olheiras com alguns cuidados em casa: “É indicado o uso de compressas calmantes com água termal ou chá de camomila. Sempre gelado para ter um efeito anti-inflamatório devido a vasoconstrição”, explica a dermatologista Tatiana Steiner, especialista pela SBD.

Maus hábitos

Hábitos de vida também podem influenciar no aparecimento de olheiras: tabagismo, privação de sono e estresse podem desencadear essas marcas por influenciarem diretamente na circulação do corpo todo, inclusive das pálpebras, dilatando os vasos e fazendo com que mais sangue apareça nessa região.

Nesses casos mais graves, além de usar as compressas três vezes ao dia, tratamentos estéticos podem ser indicados, como cremes anti-inflamatórios com ativos como camomila, arnica, calêndula, alantoína, própolis, bardana e vitamina K1. “A drenagem linfática facial é ótima nesses casos e existem também alguns lasers para o tratamento”, enumera a dermatologista Mônica.

Pele fina

Quem tem a pele fininha costuma apresentar olheiras mais ressaltadas. “Esse tipo de pele permite maior visualização dos vasinhos externos das pálpebras. Pessoas mais claras e com excesso de vasos periféricos costumam apresentar este tipo de olheira”, indica Tatiana Steiner. Em geral, uma boa forma de reconhecer isso é através da observação: pessoas com pele mais fina tendem a ficar vermelhas com mais facilidade, por exemplo.

Nesses casos, alguns tipos de tratamento podem ser feitos. Nos casos de pele fina sem flacidez, o ultrassom estético focado pode firmar a área dos olhos, podendo ser feito uma vez ao ano. “Laser infravermelhos ajudam a aumentar a espessura da pele, e podem ser feitos três vezes ao ano”, ensina a dermatologista Mônica.

Leia a matéria na íntegra.