Vacina contra clamídia demonstra eficiência em 1º teste em humanos

Clamídia é uma das infecções sexualmente transmissíveis mais comuns em todo o mundo

Por: Redação Comunicar erro

Cientistas deram um passo em direção a uma vacina contra clamídia após um teste inicial bem-sucedido realizado, pela primeira vez, em humanos.

De acordo com o estudo publicado na revista médica The Lancet, a imunização desenvolvida por uma equipe britânica e dinamarquesa mostrou-se segura e eficaz ao ser aplicada em 35 mulheres.

A clamídia é uma das infecções sexualmente transmissíveis mais comuns em todo o mundo. Há 131 milhões de novos casos a cada ano, de acordo com o Imperial College London, sendo que a maioria não apresenta sintomas. No entanto, a doença pode causar infertilidade se não for tratada.

homem segurando camisinha
Crédito: PaulBiryukov/istockManter relações sexuais sem o uso do preservativo é o principal fator de risco para contaminação por clamídia

Os pesquisadores reconhecem que o desenvolvimento da vacina ainda tem um longo caminho a percorrer. No entanto, ela produziu uma resposta imunológica que eles esperavam, e nenhuma das mulheres desenvolveu quaisquer efeitos colaterais graves.

“O resultado mais importante é que vimos anticorpos protetores contra a clamídia nos tratos genitais”, disse o autor do estudo, Frank Follmann em um comunicado. “Nossos testes iniciais mostram que eles impedem que as bactérias da clamídia penetrem nas células do corpo. Isso significa que chegamos muito perto de uma vacina contra a clamídia”, afirma.

O que é clamídia?

colônia de bactérias da clamídia
Crédito: Jarun011/istockOs estágios iniciais da clamídia não costumam manifestar sintomas

A clamídia é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST), que na maioria das vezes causa infecção nos órgãos genitais, mas pode afetar também a garganta e os olhos.

De acordo com o Ministério da Saúde, não existem dados epidemiológicos no Brasil sobre a clamídia, porque não é uma doença de notificação obrigatória. Mas dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC/2017) mostram que a maioria dos casos acontece em pessoas na faixa etária entre 15 e 24 anos.

Sintomas da clamídia

A maioria dos casos da clamídia não apresenta sintomas (em torno de 70% a 80% das situações). Quando presentes, os sintomas mais comuns nas mulheres são:

  • corrimento amarelado ou claro;
  • sangramento espontâneo ou durante as relações sexuais;
  • dor ao urinar e/ou durante as relações sexuais e/ou no baixo ventre (pé da barriga).

Nos homens, os sintomas mais comuns da clamídia são:

  • ardência ao urinar;
  • corrimento uretral com a presença de pus;
  • dor nos testículos.

Compartilhe:

1
03:38
Cuidados e prevenções para a saúde das mulheres
Dores menstruais parecem típicas, mas podem ser um sinal de endometriose. Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, …
2
02:37
Saiba quais são os sintomas do Transtorno bipolar
O transtorno bipolar vai além das variações de humores. Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, psiquiatra e professor da Unifesp, …
3
01:40
O que é a Fibromialgia e quais os sintomas?
Você já sentiu dores intensas em algumas partes do corpo? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e comunidade, fala …
4
04:15
Quais são os sintomas que indicam diabetes?
Você sente uma fome excessiva, mas não consegue identificar o por quê? Hoje, a Dra. Luiza Cadioli, médica de família e …
5
04:43
Quais são os sintomas da Esquizofrenia?
A esquizofrenia é um dos tipos da psicose, que é um sintoma que descreve condições que afetam a mente. Hoje, o …
6
03:10
Como os fatores sociais impactam a expectativa de vida
Saneamento básico e desemprego são alguns dos fatores que podem impactar diretamente com a nossa longevidade. Hoje, a Dra. Aline de …
7
01:28
Psicose: saiba como identificar
Pensamentos vagos e incoerentes? Como identificar um surto psicótico? Hoje, o Dr. Jair de Jesus Mari, fala sobre os sintomas da …
8
02:11
Saiba como identificar os sintomas da diverticulite
A diverticulite tem se tornado uma doença comum, principalmente para pessoas acima dos 60 anos. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …