Cambuci: a palavra que nomeia o bairro do Centro de São Paulo veio de uma fruta nativa da Mata Atlântica. Sua origem é o termo “kãmu-si”, ou “pote d’água” em tupi-guarani, devido à sua semelhança com o formato dos vasos de cerâmica que os índios produziam. O fruto – da família das goiabas e jabuticabas – está diretamente ligado à história do estado de São Paulo, pois, originalmente consumido pelos índios, passou a ser consumido pelos bandeirantes curtido na cachaça.

Apesar da importância histórica e ambiental, pouca gente conhece a fruta e a espécie chegou a ser ameaçada de extinção. Hoje esse quadro vem mudando e o cambuci se tornou um símbolo de preservação da Mata Atlântica, graças a estratégias como a Rota do Cambuci, um festival que teve sua primeira edição em 2009. Parelheiros, no extremo sul da capital, faz parte dessa rota.

A 37km de distância do Marco Zero da cidade, na Sé, a região, com seu clima de interior e cercada por toda parte pelo verde da Mata Atlântica, foge completamente do perfil caótico e cinza do resto de São Paulo. É lá que estão localizadas as duas unidades do Restaurante e Pizzaria Marlene, que certamente possuem a melhor e mais sustentável comida caseira da região.

Suco de cambuci orgânico por R$5

Créditos: Guilherme Petro

Suco de cambuci orgânico por R$ 5

Aberta em 1989, pela Dona Marlene, a primeira casa era inicialmente um bar. Em 2006, ela passou a desenvolver receitas com frutas nativas, que deram tão certo que três anos depois passaram a fazer parte da Rota do Cambuci.

O restaurante self-service muda o cardápio todos os dias, de acordo com a qualidade e preço dos produtos na semana. Ainda assim, alguns pratos são verdadeiros clássicos, como a moqueca de peixe, o peixe à milanesa e a espetacular costelinha de porco no molho agridoce de cambuci, que desmancha na boca e combina perfeitamente com o sabor ácido e adocicado da fruta.

Vale ressaltar também que todas as ervas e folhas são orgânicas, compradas de produtores da região. O preço é muito camarada: 100g custam R$ 2,79 e para acompanhar, nada melhor que o suco de cambuci (foto, R$ 5), também ácido e adocicado na medida certa. Uma paleta de cambuci com leite condensado (R$ 6,50) é perfeita para fechar o almoço. Outras delícias caseiras feitas com a fruta também podem ser encontradas no restaurante, como geleias, musses e cachaças.

“Quando comecei, Parelheiros era bem menor, mas não cresceu tanto econômica e culturalmente falando. É preciso de muito trabalho para que os moradores daqui tenham mais contato com as nossas frutas”, diz a simpática Dona Marlene, que abriu a segunda unidade do restaurante em 2015 e também dá oficinas culinárias sobre as frutas nativas em diversos pontos da cidade. Com sua rica simplicidade transmitida tanto na fala, quanto na comida, ela se tornou uma figura importante na divulgação da região. É daquelas pessoas com um jeito gostoso, que dá vontade de colocar dentro de um potinho, ou de uma compota, e levar para casa.

Como chegar
Descer no ponto da Praça de Parelheiros para a unidade 1 e na parada da altura 6343 da Avenida Sadamu Inoue (logo após o cemitério Parque dos Girassóis) para a unidade 2.


Quer conhecer mais lugares deliciosos nas quebradas de SP? Acesse o Prato Firmeza e siga também no Facebook e no Instagram :)

Imagem Autor

A Énois | Inteligência Jovem é uma agência escola de jornalismo para jovens de 14 a 21 anos. Esse e outros trampos nossos podem ser conferidos em www.escoladejornalismo.org

+ posts do autor

Prato Firmeza: Restaurante da Marlene

A partir de
09 Fev

 Segundas,  Terças,  Quartas,  Quintas,  Sextas e  Sábados das 11:00 às 16:00

Restaurante e Pizzaria Marlene I
Praça Júlio César de Campos, 106 Parelheiros São Paulo - SP (11) 5921-7443
Preço médio de R$ 20
Formas de pagamento: dinheiro, cartões de débito e crédito e VR

A partir de
09 Fev

 Terças,  Quartas,  Quintas,  Sextas,  Sábados e  Domingos das 11:00 às 16:00

Restaurante e Pizzaria Marlene II
Avenida Sadamu Inoue, 6359 Jardim Casa Grande São Paulo - SP (11) 5926-1582
Preço médio de R$ 20
Formas de pagamento: dinheiro, cartões de débito e crédito e VR

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.