CORONAVÍRUS
Loading...
Últimas notícias e tudo que você precisa saberAtualizando informações
Infectados-
Mortes-
Recuperados-

Que tal fazer uma viagem pelas cores do mundo?

Em São Paulo, até 18 de setembro, será possível viajar pelas “Cores do Mundo”

Por: Viramundo e Mundovirado

Que tal Viajar nas cores do mundo? Mas, será que é possível definir um lugar por uma cor apenas? Ou mesmo discernir a cor que a cidade desejaria ter como sua?

Crédito: Viramundo e mundoviradoOs quadros de Makarra, releitura de seus murais, nos instigam a conhecer as cores de outros paises, pelo seu olhar

Então, veja quem consegue perceber essas cores e depois nos revela na exposição  Cores do Mundo.

O artista plástico brasileiro Makarra, tem seu olhar voltado para encontrar a cor que define ou a que é vocação de uma cidade. Seu projeto teve início em 2014, em São Paulo, e já passeou pela Argentina, Colômbia, Uruguai e Estados Unidos, para citar apenas alguns países.

Crédito: Viramundo e mundoviradoSampa mais Verde

A cor de São Paulo, por exemplo, todos dirão que é cinza, certo? Pois, em “Sampa mais verde” – um dos mais instigantes quadros da mostra – a cor que representa nossa metrópole é o verde. Um verde pulsante vibra no coração da obra que é ao mesmo tempo o centro de um labirinto formado por viadutos e ruas. É o gramado verde brilhante do Estádio do Pacaembu. E, é como se esse verde desejasse nos mostrar que pode romper e brotar no emaranhado de passarelas e túneis que sufocam a cidade.

Crédito: Viramundo e mundoviradoEl Dorado

Em Bogotá, Colômbia, Makarra grafitou os muros do Parque Virrey. Inspirado na cultura local, selecionou o amarelo que representa o ouro dos povos pré-colombianos. Mas, ele destaca que o tempo é a verdadeira riqueza da vida. A tela revive a lenda de uma cidade toda construída em ouro maciço. Na exposição pode-se ver a tela El Dorado que migrou do mural.

Crédito: Viramundo e mundoviradoMiami

Já para o Uruguai, o artista escolheu o azul como a evocar a liberdade e o direito à propriedade – engrenagens para uma sociedade mais justa e harmônica. Em Montevidéu ele grafitou todo o edifício da Biblioteca Municipal Del Buceo.

Tons de terra, ferrugem, sépia e ocre indicam para o artista na tela “Miami Mix of Colours”, o quanto essa cidade dos Estados Unidos respeita a diversidade étnica, e a diferença da cor da pele de seus moradores. No bairro de Wynwood, outrora abandonado e decadente, foi com a arte dos grafiteiros que a região ganhou nova vida. O mural de Makarra tem como vizinhos, artistas vindos de várias partes do mundo, e atrai a contemplação dos que curtem street art no hoje badalado distrito de Miami.

Crédito: Viramundo e mundoviradoAcreditar. A dúvida confunde nossos caminhos. Confie nos seus instintos. Assim vemos o artista Makarra

Na tela “Índigo Argentina”, esse particular tom de azul veio das águas, rios, lagos e geleiras desse País.

A visão de Makarra nesse projeto das Cores do Mundo, na verdade é uma troca de olhares pois, ao expor suas obras nas paredes de locais públicos do mundo, ele também revela a arte brasileira, nossas cores, traços e a criatividade.

Na exposição Cores do Mundo, emana de seus quadros uma irradiação que, de algum modo, se comunica com os visitantes.

À primeira vista, a composição de todos é também uma releitura do labirinto.

Todo labirinto simboliza a busca do homem que, pelos caminhos mais diversos, possa finalmente chegar ao centro. E, é esse centro que interesse não apenas a Makarra, mas a todos nós, viajantes que somos dessa grande viagem que é a vida. Faremos uma longa viagem através de países, culturas, e no fundo sempre estaremos em busca de nós mesmos, do nosso centro.

Crédito: MakarraMural do artista Makarra

A composição harmoniosa dos quadros atua, antes de mais nada, sobre nossos olhos. Então, deveríamos encontrar nos diversos olhos retratados nas telas, uma dica a mais para compreender seu trabalho. Talvez o artista deseje que nós vejamos o que não está visível.

As palavras do poeta alemão Goethe também poderão nos dar mais uma pista: “Se o olho não fosse como o sol, ele não poderia ver o sol”. Ou relembrar que as tecelãs de tapetes turcas associam Deus ao olhar. Nada mais correto, portanto, que o nome das janelas nas primeiras igrejas cristãs seja ‘oculus’ – olho.

Aceite, pois, o convite de Makarra para ver as “Cores do Mundo”, e sinta a magia da verdadeira arte.

Exposição Cores do Mundo
Onde: Galeria Pintura Brasileira (rua Groenlândia 530, São Paulo)
Quando: até 18 de setembro
Horário: Seg a sexta, das 11h às 19h, e sábados das 10h às 14h

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Por: Viramundo e Mundovirado

Site de viagens e descobertas. Sugestões para despertar a mudança que o viajante, mesmo sem o saber, deseja. Viajar muda também seu interior, daí “viajar para se descobrir”

Termos da rede:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário Viramundo e Mundovirado da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.